11/12/2018

Horas tensas - Rio de Janeiro

Assim que chegamos no posto de gasolina, fui ao Mc Donalds comprar algumas garrafas de água, pois estávamos todos tensos, ainda pensando em tudo o que tinha acabado de acontecer. Chegando la o atendente nos disse que onde estávamos era muito perigoso e que eles estavam quase fechando (era umas 22 horas). Quase que ao mesmo tempo minha irma me ligou dizendo "Erica, você tem certeza desse endereço? Estamos procurando a casa mas ... aqui é ... ai Meu Deus... você vai ver quando chegar" Ela ainda não estava na casa, mas estava procurando o local. Naquela hora contei para minha sogra e começamos a rir de desespero. Para onde estávamos indo? Por que todos as opiniões do Booking falavam bem da casa? Algo estava errado? Talvez!

Depois de um tempo chegou o táxi e explicou que havia demorado pois a seguradora tinha dado o endereço errado (de uma outra cidade). Agora sò faltava o guincho para levar o carro de volta para Sampa. Passados 30 minutos o taxista nos pediu para ligarmos novamente para a seguradora, pois o guincho tinha saído com ele, estava praticamente atràs, então aquela demora nao fazia sentido. Ao telefonar, descobrimos que o guincho havia desistido pois não queria levar o carro de volta para SP porque teria que passar pela "linha vermelha". Aquela noite seria uma das mais dramáticas naquela região (vários policiais foram feridos, alguns criminosos mortos e outro presos). Naquele dia pensei ironicamente "Que sorte a nossa", mas hoje sei que na verdade tivemos mesmo sorte.

O problema é que passadas algumas horas e ligando continuamente para a empresa de seguro, descobrimos que não existia nem previsão de encontrarem um guincho, pois nenhum estava disposto a passar pela "linha vermelha" naquela noite. Decidimos então que o guincho poderia pegar o carro e levar para Sampa em outro momento, assim passados mais vários minutos vimos finalmente o guincho chegar. Entregamos a chave e fomos embora para nosso destino final.

Rodamos, rodamos e rodamos...algumas vezes víamos o taxista um pouco tenso. Acendia as luzes internas do carro e abria todas as janelas, sem falar nada. Quando finalmente abriu a boca repetiu o endereço e perguntou "você tem certeza  que o endereço é esse?". Confirmamos e ele disse "certeza absoluta?" e confirmamos novamente, então ele prosseguiu. Quando chegamos na rua, a uma hora da manha, esvaziamos o carro e tocamos a campainha para minha irma abrir. Achando estranha a demora, comecei a ligar e ela disse que estava indo abrir...

Olhamos para a parede em nossa frente e là estava um recado para entendermos onde estávamos "X9 Vacilão tem que morrer".

A tensão aumentava. Minha sogra e cunhada estavam batendo varias vezes no portão, quando minha irma me liga e diz "Erica vocês não estão aqui, estou na frente do portão..."

Como não? Começamos a colocar as malas no porta malas, todos na correria e isso incluía o taxista. Entramos no carro e verificamos o endereço mais uma vez: o nome da rua e o numero eram os mesmos, mas o bairro estava errado. O seguro passou para o taxista o nome do bairro errado e nós confirmávamos somente o nome da rua e numero...

Quando terminamos de colocar as bagagens no carro, começou a gritar de dentro da casa a voz de um homem muito nervoso. Pedimos desculpas, entramos no carro e começamos a andar com as janelas abertas e as luzes acesas. Meu Deus quando aquilo iria acabar?

Naquela hora o taxista disse que aquela parte em que estávamos era a mais perigosa de Cabo Frio e que naquele horário sò tinha na rua Policia ou Bandido e por isso ele seguia aquele esquema "luzes acesas/ janelas abertas. "A policia entra quietinha e os bandidos disparam os tiros", contou. Então a estrategia dele era aquela de sermos confundidos com bandidos ou moradores.

Corações disparados e quase não respirávamos mais. Eu sò agradecia que Matteo não estava conosco e por mais que eu quisesse, não conseguia tirar da cabeça o medo de não ver mais meu filho e minha família. A coisa toda estava tensa, muito tensa. Acho que nunca senti tanto medo, não somente eu, todos estava quase em panico.

Saímos dali, demos o endereço certo para o taxista que em contato com a seguradora havia recebido instrução de nos deixar (abandonar) no primeiro endereço, porque segundo eles era o endereço certo. O taxista desligou o telefone e  nos deu a noticia de que por ordens da seguradora precisaria nos deixar, mas como ele estava vendo nossa critica situação não faria isso. Demos a ele o endereço certo e ele foi para o Weze e GPS, mas o problema ainda estava no inicio...

...O Waze nos direcionava para estradas horríveis (favelas), ruas escuras e estranhas. Nós seguíamos em silencio com as luzes acesas e janelas abertas. Silencio e frio na barriga :(

Num certo momento entramos em uma rua desterrada, passamos por lugares terríveis e continuamos nesta estrada. De um lado carros queimados, de outro muito entulho. O lugar era apavorador, parecia "ponto de desova", mas o Waze continuava nos mandando para aquela direção. Depois de um tempo andando por ali, ligamos para minha mãe e descobrimos que ela não havia passado por aquela estrada, o motorista parou e disse "Chega, não continuo por aqui, não vou mais colocar a minha vida e a de vocês em risco. Saímos dali com o coração na mão, muito nervosos e decidimos não colocar o endereço direto da casa, ja que o Waze nos mandava fazer esse caminho insano, mas colocamos primeiro o endereço do centro da cidade e dali colocamos o endereço da casa. Eu sò pensava em chegar e ficar em segurança... ainda demoramos um pouco para encontrar a casa, pois era meio escondida. Quando chegamos as 2 e meia da manha, eu sò tinha  vontade de chorar. Estávamos seguros, finalmente.


Casa em Cabo Frio



Me lembro no meio disso tudo que havíamos comprado lanches e refrigerantes, pois na casa não tinha nada para beber e as crianças não haviam comido até aquela hora. Lembro que eu e minha sogra seguimos com aqueles refrigerantes na mão por toda a viagem aventurosa, tentando não deixar cair, pois o pessoal não tinha nem agua. A cada freada, molhávamos o carro e nos olhávamos rindo desesperadamente (e eu e minha sogra). Lembro de ela esfregando a bunda no banco para secar (agora sò risadas). O banco estava quase todo molhado, até que quando chegamos no primeiro endereço errado, aquele do X9, olhamos para os refrigerantes e Marcelo disse mais do que nervoso "deixa isso ai, pelo amor de Deus". A gente correndo risco e ainda assim tentando salvar o refrigerante.

Agora sò lembranças e risadas, mas ficamos um dia meio perdidos, pelo menos falo por mim, que não tinha reação, nem acreditava que tudo tinha acabado bem e que tínhamos tido aquele anjo taxista em nossa vida.





16/11/2018

Plena em meus 38

Começa hoje um novo ciclo. Entro em meus 38 anos muito contente de minhas escolhas e do rumo que dei para minha vida. Começo essa fase agradecendo a Deus e ao Universo, por reservarem sempre boas surpresas e, mesmo nas dificuldades, me envolverem com pessoas queridas e talentosas, que me ajudam a me tornar forte e realizada.

Começo esses 38 ainda enxergando mal por causa da cirurgia nos olhos a qual me submeti em Setembro. Embora a dificuldade para escrever esse texto, eu não poderia deixar de registrar aqui como me sinto. Passei por tempos complicados nos últimos meses, mas que me ensinaram tanto sobre mim, sobre quem eu sou, o que eu quero e quem eu quero realmente ser. Passei os últimos dois meses lutando por mim e para descobrir o que seria a tal da plenitude e hoje estou me sentindo assim, PLENA e FELIZ!

Me arrepia e me emociona dizer isso, pois eu sempre me perguntei como era estar PLENA, calma, tranquila, diante de que tudo o que acontece, ciente de que nada é por acaso. 

Então eu comecei o dia de hoje absorvida por pensamentos de gratidão por tudo e todos que estão em minha volta, gratidão a Deus, ao Universo por minha família, meus amores, meus amigos sinceros e leais que nunca me abandonaram. Cara, como eu sou grata por receber tanto carinho de todos os lados, por ter a oportunidade de me cuidar, reavaliar meus valores e minhas crenças. Agradeço por meu coração bater a cada instante, por meus pulmões funcionarem perfeitamente, por meu caminhar, por meus olhos e minha visão, por ter a oportunidade de viver esse dia e me sentir assim, Agradeço principalmente por ter passado esse tempo sem poder ver, pois isto me fez enxergar tantas verdades que os olhos nem sempre são capazes de ver. 

Então, neste novo ciclo eu sò posso prometer tentar fazer por merecer tudo o que o tenho recebido de bom, das boas energias, as pessoas incríveis com as quais tenho e tive a honra de interagir a cada dia de minha vida. 

Grazie mille :)




A caminho do Rio de Janeiro

A viagem foi divertida embora longa. Resolvemos parar em Copacabana para almoçar e descansar um pouco, Pegamos o por do sol, tomamos uma caipirinha e relaxamos. Nick e Matteo entraram no mar, ou seja, ja começaram a viagem se divertindo. A unica coisa que me chocou um pouco foi que quando entramos no Rio nos deparamos com dois canhões de guerra enormes, com vários soldados em cima. Ja tinha estado no Rio mas nunca tinha me deparado com uma cena assim.

Copacabana, 20 de Agosto de 2018


Depois de algumas horas voltamos para a estrada, devia ser por volta de 19 horas. Sabíamos que teríamos ainda duas horas e meia de estrada até Cabo Frio e Arraial do Cabo. Partimos mas sem contar com o que estava prestes a acontecer...


Estávamos em dois carros: em um deles estava minha mãe, irma, Nick e Matteo) e no outro eu, minha sogra, minha cunhada, meu sobrinho e o Marcelo. No meio do caminho nos perdemos e por isso acabamos somente seguindo o GPS, cada um no seu carro. Quando estávamos ha uns 40 minutos da casa que havíamos alugamos, sofremos um acidente na estrada (Marcelo cochilou por alguns segundos e batemos no guard rail), Apesar do susto não aconteceu nada com ninguém, mas o carro não estava mais andando, então tivemos que ativar o seguro do carro e esperar que o táxi e o guincho chegassem para nos socorrer.

15/11/2018

Viagem ao Brasil: o começo

Voltando às nossas aventuras pelo Brasil...
Como eu havia comentado foram poucos dias, mas que foram muito intensos.

Jà no primeiro dia tivemos momentos deliciosos. Fomos recebidos com a feijoada da sogra e conseguimos reunir nossas familias. Foi emocionante ver o Matteo encontrar todos pessoalmente jà que a ultima vez que estivemos no Brasil de férias ele tinha 2 meses, entao para ele era a primeira vez que via a familia pessoalmente.

Os dias passaram correndo... na semana seguinte seria o casamento de meu irmao e nòs nao tinhamos nem ajustado as roupas (eramos padrinhos e Matteo pagem). Durante a semana resolvemos tudo e inclusive resolvi fazer a tal da pigmetaçao fio a fio na sombrancelha, pois a minha havia reduzido muito. Lendo descobri que uma das razoes para que isso ocorra tem origem em um problema de vista (o corpo fala). .

Enfim, fiz a tal da pigmentaçao e mamma mia,,, que dor, menos mal que o resultado foi lindo.

Bom, sabado (18 de Agosto 2018) foi o Grande Dia deles. Eu estava muito feliz e ao mesmo tempo com aquela sensaçao de que o osso menininho nao era mais nosso e nem mais menininho. Uma mistura de sentimentos e emoçoes tomou conta de mim aquele dia, mas ao ver o Danilo feliz e emocionado sò pude ficar ainda mais realizada. Eles estavam lindos e os votos que um fez para o outro eram maravilhosos.

Mas, uma coisa importante, que eu nao poderia deixar de citar é que chegamos uma hora atrasados, incluindo a mae do noivo. A mais enrolada dali era a Vivi, que continuava a se preocupar com o cabelo e uma hora antes do casamento nao tinha nem o sapato (surreal). Nunca vi uma familia tao atrapalhada.

Contudo, chegamos para a cerimonia e festa, foi tudo demais. Até Matteo e Nick se divertiram sem parar.

Nos dias seguintes me deparei com algumas situaçoes que estavam me chateando, uma delas é o fato de eu nao estar falando com o Vicente, da separaçao deles (afinal sempre os vi juntos e essa seria a primeira vez que os via separados), minha preocupaçao com a cirurgia nos olhos, medo de o Matteo nao se adaptar a nova escola e também com a babà, enfim Pré Ocupaçoes.

Outra coisa que me incomodou muito foi notar que dentro de mim eu tinha muitas situaçoes mal resolvidas, mas que eu nao poderia resolver naquele momento, somente o tempo poderia remediar. Era o tempo de pensar em uma reforma intima, mas esse serà um capitulo a parte. Voltando a viagem...

No domingo de madrugada partiriamos para o Arraial do Cabo (RJ) e assim foi...acordamos as 4h da manha e nos encontramos com os carros as 9h num posto de gasolina na estrada...ai começa a aventura...

11/09/2018

Férias 2018 - Brasil apòs 3 anos

Ola,

Mais uma vez eu por aqui e agora para contar um pouco sobre nossas férias no Brasil. Foram no total 20 dias, contando com os dois dias de viagem de ida e volta. Quem mora fora sabe que 18 dias são muito pouco para conseguir encontrar todas as pessoas queridas que gostaríamos de ver.

Como geralmente nossa ida ao Brasil acaba sendo um pouco estressante, porque sempre tentamos ir ver todos, desta vez resolvemos mudar de estratégia, até porque fazia 3 anos que não visitávamos o Brasil. Como era inverno no Brasil (SP 13 Graus) e estávamos saindo da Itália no auge do verão,  alugamos uma casa no Rio de Janeiro para onde nossas famílias foram e curtimos uma semana todos juntos, o que foi sensacional.  

Bom, vamos começar pelo inicio. A viagem foi curta, mas intensa e cheia de emoções que começaram na hora do check in. Chegamos no aeroporto as 17:30, super tranquilos porque nosso voo sairia as 20:40...

...Quem dera fosse realmente as 20:40. Procuramos por este voo por todas as telas e nada, até que nos demos conta que o voo que partiria neste horário sairia de Madrid para o Brasil, ou seja, estávamos prestes a perder o primeiro voo, que decolaria às 18:20. O panico veio quando percebemos que naquele exato momento as pessoas estavam prestes a embarcar e nós ainda tínhamos que fazer check in, passar na imigração etc.Corremos, corremos muito e quando chegamos no avião nem acreditamos. Pura adrenalina.

O mais interessante é que depois de velhos estamos ficando relapsos. Seja pela correria ou pela tranquilidade (sei lá) temos deixado tudo para a ultima hora. Desde quando compramos a passagem, meses antes, Marcelo havia dito que o voo era as 20 e pouco e em nenhum momento paramos para rever o bilhete aéreo, deixamos para fazer isso chegando no aeroporto.

No final tudo deu certo. Estávamos preocupados com Matteo durante essa longa viagem, mas o menino è uma delicia. Foi um querido durante todo o tempo.

Matteo aguardando as malas chegarem - Aeroporto GRU


Mas isso não è nem o começo do que foi nossa trip.

Espere para ver as cenas dos próximos capítulos.





08/03/2018

Buscando o Bem Estar

Passei um mês e meio fazendo exercícios de spinning três vezes por semana, 1 vez por semana yoga kundalini e buscando melhorar a alimentação. Cheguei a perder 3 quilos em 15 dias. Eu estava super orgulhosa de mim, mas assim que Matteo adoeceu (bronquite) e começaram as correrias no trabalho acabei parando de me exercitar. Continuei somente com o Yoga pois é um dos benefícios que temos no trabalho (e sò tenho a agradecer por isso). Agora que o Matteo esta bem, preciso me organizar para voltar aos exercícios de spinning. 

 Digamos que essa semana comecei bem, entrei a segunda feira me dedicando 40 minutos, mas dai o restante da semana foi cansativo e me entreguei ao sedentarismo. Foco na saúde e no pensamento positivo...

Essas são as imagens das ultimas semanas

Namaste!




Desafios do dia a dia

Como comentei no ultimo post, meu desejo este ano é cuidar da minha saude e de minha familia.

Me estressar e correr menos, não deixar que as ansiedades transforme meus momentos em períodos angustiantes e tensos, no entanto admito que esses últimos dois meses tem sido um pouco tensas, uma tensão e ansiedade que não tenho conseguido equilibrar. 

Profissionalmente muitas coisas para realizar dentro de pouco tempo. Aprender gerenciar problemas quando temos objetivos e tempo bem definidos é um árduo aprendizado.

Já Pessoalmente esse ano será de mudanças, um ano em que Matteo muda de escola e precisará fazer uma longa adaptação. Na Itália as escolinhas exigem que as crianças façam um mês inteiro de adaptação, o que significa que os pais precisam ficar o dia todo a disposição da escola. Imagine quem trabalha como faz para organizar um mês sem ir ao trabalho, ainda mais depois de um mês de férias. Eu não consigo compreender algumas coisas que acontecem por aqui. As regras sao feitas baseadas em que e em quem? Ou os avós ficam responsáveis pelos netos ou a maior parte das pessoas nao trabalha, pois é impensável demorar um mês para fazer uma criança se adaptar. 

Além disso, a partir de Setembro o hora rio da escola sera das 9h as 15h30/16:00.  Quer dizer que quem não tem família para ajudar, tem que se virar. 

Outra coisa que me aflige sobre esse assunto é que Matteo precisa deixar de usar fralda até agosto, ao contrario não pode ir para a escolinha. Mas como forçar uma criança a tirar a fralda de um dia para o outro, sendo que sempre aprendeu que podia fazer as necessidades em qualquer momento.

Esses são algumas coisas que tem me preocupado, nada sério que não possa ser resolvido, mas que requer uma dedicação a mais.

Enquanto isso prossigo tentando conter a ansiedade

01/02/2018

Foco: Saude e Good Vibes

Nosso maior desafio deste ano será algo que deveria ser básico na vida das pessoas: cuidar da saúde do corpo e da alma. Na maior parte de minha vida eu fiz poucos exercícios. O ano em que eu mais me exercitei foi em 2013, quando sai da Via Uno e por quatro meses pude estudar para meu master e fazer exercícios frequentes em bicicleta. Este foi o ano em que fisicamente eu me sentia melhor e mais bonita.



Nao é somente uma questao de estar saudável ou ser vaidosa, mas sim o fato de perceber que estamos fazendo algo por nós,  não somente para o mundo, não somente obrigações. Isto faz toda a diferença e afeta diretamente o nosso psicologico. 

Comecei o ano 'pesada', com cinco quilos a mais do meu peso ideal, ou seja me sentindo gordinha. Ao me pesar no dia 02 de janeiro, pensei "acima do peso, vista com problema, ferrou... preciso cuidar dessa 'roupa' que Deus me deu.

A partir dai comecei a fazer 40 min de spinning, três vezes por semana, e mais uma hora de kundalini yoga. Vale dizer que a parte da yoga foi um presente da empresa, ou melhor de nossa chefe Fabi, para ajudar a melhorar nosso bem estar e reduzir o stress. Estou numa fase em que não poderia apreciar mais um beneficio do que este. Em tempos de correria, você poder incluir em sua rotina um momento para cuidar de você, ajuda em todos os aspectos (pessoais e profissionais). TOTAL GRATIDAO!

Lógico que a rotina acaba sendo um pouco mais corrida e as vezes chega a ser difícil seguir o objetivo de malhar ao chegar em casa as 20h e ainda fazer as tarefas domesticas. No entanto o sentimento de bem estar que vem depois compensa qualquer sacrifício. 

Além de malhar, tenho buscado estar mais positiva, fazer meditações sempre que tenho oportunidades. Nos dias de hoje não é fácil permanecer otimista e afastar o negativismo, mas este será um outro desafio de 2018.

Good Vibrations!
 
Peace and Love!