28/04/2008

As aulas italianas




















Vista da sacada de casa... aqui está fazendo uma média de 20 graús, mas a meia hora daqui tem uma pista de esqui que ainda está cheia de neve. Nós fomos lá na semana passada, mas esquecemos a bateria da máquina. Vamos voltar e mandamos fotos. Lá é pura neve!!!
-----

No final da semana passada começamos a estudar....caramba... bizarro!!! Em nossa sala tem gente do mundo inteiro: australiano, canadense, marroquino, filipinas, albaneses, paquistaneses, afegãos, chineses, entre outros doidos... só doido! É bom que a gente ri demais, ri mesmo e as vezes parece que um marroquino que não gosta de um dos afegãos, vai puxar a cordinha e explodir todo mundo na sala... rs. Ele olha para afegão (que está exilado) com uma cara de ódio que ninguém acredita!

Bem, descobrimos que algumas palavras não podem ser usadas na Itália: fica, figo, tromba, entre outras.... nem vou escrever porque é muito feio. Dêem uma procurada no dicionário. E o Marcelo que na aula de italiano, em que a gente estava treinando o verbo ter e ser.... disse pra todos que é um coelho. Imagina que engraçado, ninguém entende italiano, mas todo mundo se divertiu. “Io sono il coniglio”.










A gente está na terceira aula e as coisas estão fluindo... logo aprenderemos a língua.

Hoje demos entrada na documentação do Marcelo...ele já existe na Itália, mas eu ainda não. Estamos decidindo onde daremos entrada na minha cidadania (Londres ou Italia).


Vejam algumas fotos de Trento.

Beijos, Erica e Má

26/04/2008

A descoberta da felicidade







A descoberta...

Um dia a gente acredita que gente grande é que é feliz
E que ser grande é ter sucesso profissional, estudar e construir família
E não vê o momento de crescer

Acredita que as montanhas, a chuva e o sol são somente elementos que fazem parte da natureza
Acredita que as pessoas são tão gigantes a ponto de fantasiarmos suas personalidades
Daí, o tempo passa e a gente cresce, ou pelo menos começa a entender o que crescer realmente significa

E descobre que ser gente grande é muito mais do que tudo isso
Que boa parte daquelas pessoas que dizem ser “gente grande” não é feliz
E não é feliz porque procura longe demais, no alto, o que pode estar ao lado
Porque idealiza atitudes, espera agradecimentos, elogios e principalmente, ser amado da mesma maneira como ama

E percebe que ser gente grande não é simplesmente ter profissão, estudar e construir uma família
Que nem toda “gente grande” de verdade tem uma profissão renomada
Descobre que o crescimento é de dentro para fora
Que gera fidelidade, caráter, amor, perdão e felicidade
E que “gente grande” ergue pilares tão firmes que apóiam famílias pela vida inteira

Percebe que as montanhas são a metáfora das nossas dificuldades
Que a chuva também existe para lavar nossa alma das angústias
E que o sol é a luz que há dentro de cada um que busca a felicidade

Sente por meio das decepções que ninguém é tão imenso, a ponto de ser perfeito
Que cada um tem características que não nos cabe julgar
Que as pessoas sentem de forma diferente, o que não significa que é menos ou mais, somente que é diferente
Mas quando a gente começa a enxergar tudo isso, prefere voltar à inocência para não sentir dor...
...e percebe o inegável, o inadiável:...que para crescer precisamos nos amar, antes de querer amar alguém ...porque se não nos preenchermos sozinhos, tudo será superficial...
Como é difícil ser grande...e como é simples...
Se resume a amar, perdoar, compreender, ser fiel e caridoso...
A busca pelo crescimento é insaciável, mas conquistamos diariamente....
Pensamento é tudo nessa batalha. As pessoas grandes aprendem a vigiá-lo...

Erica e Má - da despedida a chegada


Decisão tomada, demissão, escolha do País, seleção da cidade, compra da passagem, venda da moto e computador, mudança de casa...

... momento sem-teto, carinho das famílias e amigos, a hospedagem nas casas dos pais, irmãos e cunhados... as várias despedidas chorosas...

... o dia do embarque, a saudade adiantada e infinita, a surpresa de quem não avisou que chegaria, mas que apareceu para nos dar um “arrivederci”...

... a despedida, o aperto no coração, a partida, a passagem pelo portão de embarque, o coração que convulsionava, a saudade novamente, a ansiedade, o receio, a felicidade da chegada da data tão esperada, a insegurança, o medo ...

... o Vôo ... o vôo ... o vôo ... saudade.... amorrrrrr.... carinhoooo... a alegria de realizar... a sensação de pisar em terra italiana... a recepção calorosa.

É isso aí, essas são todas as fases e sensações que sentimos em todo esse tempo e que nem sempre conseguimos ou podíamos demonstrar. Sentimos um montão de coisas estranhas e choramos, choramos tanto que logo acabarão as lágrimas.

A chegada na França, onde fizemos a escala já começou bem emocionante. Como, para variar eu e o Má sempre estamos atrasados, no aeroporto Charles de Gaulln não foi diferente. Conseguimos ser os últimos a sair do avião. Detalhe, perdemos o vôo que iria para o aeroporto de Linate, na Itália e ficamos a ver navios.... quer dizer, aviões.

Daí em diante só bizarrices...Tivemos que negociar um vôo no nosso inglês curumim. O bom é que nem deu tempo de termos medo, porque precisávamos resolver tudo rápido. Conseguimos um vôo para outro aeroporto na Itália que sairia duas horas mais tarde, enfim ... foi a solução. Ao chegarmos em Malpensa, o outro aeroporto, ficamos duas horas esperando nossa mala, que chegou incompleta. A gente já esperava isso, pois várias pessoas disseram que a França perde muita mala. No final das contas tivemos que treinar nosso idioma e até preenchemos uma ficha. A bagagem veio quatro dias depois.

E nós? Com essa confusão chegamos muito tarde em casa (meia noite). O engraçado foi que ninguém falava inglês nos trens e ônibus e nós não falamos niente italiano, ou seja... já dá para imaginar né?

Seguimos contando as novidades!!!

Saudades de todos!
Vejam fotos das despedidas
Beijos, Erica e Má