14/04/2010

A Menina que Roubava Livros

Na semana retrasada terminei de ler A Menina que Roubava Livros, do autor australiano Markus Zusak. Nao sei o motivo, mas as històrias sobre guerras e ditaduras sempre me atrairam muito. Quando eu era criança sempre sonhava que chegava em um cemitério de avioes das duas grande guerras mundiais.

Depois comecei a estudar jornalismo e passei a ter vontade de cobrir guerras. Lembro que quando eu era adolescente guardava todos os recortes de jornais que abordavam guerras. Cheguei a ter uma coleçao que joguei fora somente quando vim para a Italia. A questao é que para mim aquele ambiente sempre pareceu muito familliar, ainda que eu nao tivesse vivenciado nenhum tipo de guerra a nao ser aquela entre as quadrilhas, os assaltantes e os politicos do nosso Brasil.

Voltando ao livro, a història è ambientada na Alemanha de Hitler e é contada pela Morte, de maneira muito sincera e direta, sem rodeios, sem choro e sem vela. Ao mesmo tempo que mostra, de modo até poético, um pouco do que foi aquele periodo tràgico, A Menina que Roubava Livros consegue entreter o leitor do inicio ao fim, enfatizando o valor da amizade, da familia e dos elos que criamos no decorrer de nossas vidas.

O autor se apega ao drama de uma suposta familia alema, contando sua rotina, suas inseguranças, dificuldades e alegrias. Amei ter conseguido entrar no contexto do livro. Cheguei até a sentir o gelo do inverno russo e alemao, a sentir o cheiro do porao em que vivia um judeu, amigo da personagem principal (Lisel). Consegui caminhar junto aos judeus pelas ruas da Alemanha e mais do que isso, o livro me fez sentir exatamente o sabor, o cheiro e a força que uma palavra exerce sobre as pessoas.

Frases do livro:
“Os humanos me assombram”, dizia a morte.
“Palavras, as odeio e as amo, só espero tê-las usado direito” dizia a menina.

Veja também o filme que estreou recentemente (2014)



Sensacional!

3 comentários:

Juliana disse...

Oi Erica!
Eu jà li esse livro e gostei bastante como vc.
Também gosto de livros sobre guerra e conflitos, como "As mulheres de Kabul", "O caçador de pipas","Diario de Ane Frank"...
Aqui na Itàlia eu encontrei um livro chamado "La Neve", também show de bola sobre os prisioneiros alemaes, mas nao lembro do autor(estava numa gaveta de uma casa que morei).
Quanto mais eu leio sobre o assunto, mais eu me pergunto até onde o ser humano pode chegar?
Beijos!

Erica Moreira disse...

Oi Juliana,

Estranha essa sensaçao né? Eu amo esses livros e quando os leio sinto uma raiva absurda do ser humano. Me pergunto como as pessoas podem fazer tanta maldade com outras.

Agora estou lendo um que se chama I Tre Inverni della Paura, do jornalista Giampaolo. Esse aqui é um romance que fala do pòs fascismo. Estou bem no inicio, mas jà estou curtindo.

Me diz uma coisa: As mulheres de Kabul e o Diario de Ane Frank, sao bons mesmo? Valem a pena?

Tb li o caçador de pipas e amei.

beijao... e valeu por ter passado por aqui

Juliana disse...

Oi!
Olha, "As mulheres de Kabul" é um livro de reportagem e fotos que retrata as mulheres do Afeganistão antes, durante e depois do Taleban. É a realidade pura. Eu gostei. "O diário de Ane Frank" é maravilho! O livro é o diário real de uma adolescente que ficou escondida com a família durante uma parte da segunda guerra. O livro acaba repentinamente... Não posso te contar mais rsrsrsrs!
Beijos!