14/07/2010

As pessoas, os celulares e os problemas


A cada dia que passa, percebo que nós estamos muito acostumados a fazer da vida um problema. O pior de tudo é que muitos problemas começam sem motivo e uma hora acabam virando uma bola de neve. Estou escrevendo sobre isso porque ontem na volta para a casa a metropolitana teve problema e tive procurar outra alternativa para chegar em casa. Mudando o caminho, coisa que sempre deveríamos fazer, para descobrir coisas novas, me vi observando aqueles que estavam em giro.

É incrível, mas a maioria das pessoas que estavam sozinhas, falavam no celular, ou melhor discutiam sobre diferente assuntos. Uma chinesinha que estava em frente a Duomo (parte mais bonita de Milão) brigava com o namorado pelo bluetooth, uma italiana,no tram, batia boca com a chefe pelo telefone, porque ela não contratou sua amiga (que era indicação), uma garota extremamente irritada empurrava o namorado e assim por diante. Muitos daqueles que estavam acompanhados, falavam sobre seu dia do ponto de vista de acontecimentos negativos É claro que não estou comparando as realidades, porque isso acontece em todo mundo, mas é interessante observar.

Me dei conta de como nós olhamos as coisas por uma perspectiva errada. Perdemos muito tempo em discussões que não levarão a lugar nenhum. Percebi também algo que não é novidade: o celular está ganhando uma função muito maior do que deveria ter, pois está substituindo os momentos que nós deveríamos ter sozinhos. O mundo tem definitivamente medo de ficar sozinho. As pessoas passam o dia inteiro falando durante o trabalho e no caminho de casa, precisam telefonar para conversar. Por que esse medo de ter tempo para observar, para sentir, para pensar, para balancear as coisas, para tomar decisões?

Todos nós pertencemos a esta era. Pertencemos a era dos celulares que cumprem mais do que seus papéis, das pessoas que estão sempre enxergando problemas em tudo e de indivíduos que por alguma razão quase nunca estão sozinhos.

Ah, espera só um pouquinho: Alo!

Bom, escrevo mais outro dia, porque meu telefone está tocando.

5 comentários:

Juliana Rossa disse...

Oi Érica! Tudo bem?
Desculpa na demora da resposta ao comentário que vc deixou no meu blog.
A princípio, nós vamos retornar para a Itália por mais uma temporada. O meu marido está conversando com alguns times daí. Só que com essa crise, não está muito fácil. E se for para não valer muito apena, então ficamos por aqui mesmo.
Sobre as disciplinas do mestrado, eu fiz aqui na minha cidade no Brasil. Aí eu tive orientação via internet e escrevi a dissertação aí na Itália (deu tudo certo com as datas em relação a nossa ida para a Itália).
Eu tb sei o quanto é difícil a adaptação aí na Itália. Somando as duas vezes q estive aí, são quase três anos em terras italianas. Para quem é acostumado com rotina de redação, não é nada fácil trabalhar em outra coisa aí, né?. Eu trabalhei cerca de 3 anos em uma TV local, como repórter.
Sabe, eu consegui um freela aí na Itália. Eu escrevi para um jornal da minha cidade sobre os caxienses que moravam na Itália, como era a vida deles... Foi bem legal, foi capa e mais 4 páginas internas.
Agora quero ver se arrumo alguma revista mais expressiva para escrever daí. Mas não é fácil, né?
Bom, estou torcendo para que vc consiga atingir os seus objetivos aí!
Beijos!

Caipirinha e Vinho disse...

Olá Érica, adorei o post...Também gosto de ficar admirando as pessoas ao redor, ficar imaginando a história de cada uma...
E concordo com tudo o que você falou. Estamos perdendo a privacidade e, principalmente e nossa individualidade.

Legal mesmo, valeu o recado!!
E como estão as coisas com vocês???

Abraços

Larissol disse...

Oi Erica,
Tudo bem?
Deixaste um comentário querido no meu blog sobre um post em que eu falava da cidade do Porto...
Queres dicas da cidade, por favor escreva para o meu email..que terei o maior prazer em falar contigo. Posso te dar umas dicas e quem sabe vens visitar Lisboa.
larilarischerer@gmail.com
Adorei teu post, realmente as pessoas complicam demais a vida...
Beijinhos...Larissa

Caipirinha e Vinho disse...

Ficamos uns dias sem internet...
Vou atualizar o blog logo!!!
Estamos bem, trabalhando, saindo pouquíssimo e enfrentando esse calorzinho básico!!

Abraços

Allan Robert P. J. disse...

A sociedade acabou criando armadilhas para ela mesma. A obrigatoriedade do sucesso, o fazer algo importante, adquirir habilidades e conhecimentos que pouco servirão além de impressionar...

Gosto mesmo é de andar descalço pela praia deserta fora da temporada. Vou acabar me mudando para a praia, outra vez.