06/07/2010

Morro Dos Ventos Uivantes


Terminei de ler neste sábado o livro O Morro Dos Ventos Uivantes. Eu não sabia até então o quanto esse livro era importante no contexto da literatura mundial, porque só tinha ouvido falar do filme.

O Morro dos Ventos Uivantes, escrito pela autora inglesa Emily Bronte, é um clássico e um dos títulos mais importantes da literatura inglesa. Da mesma maneira que lemos Dom Casmuro, aqui na Europa esta é uma leitura obrigatória. O livro conta a história de duas familias (Earnshaw e Linton) que são ligadas fortemente pelo amor e pelo ódio. A história remete a um romance de 1847, ambientado em Yorshire. Tudo começa quando o pai da familia Earnshaw em uma viagem para Liverpool traz para casa uma criança pobre e sem cultura (Heathcliff) para conviver com seus filhos Catherine e Hindley. Catherine e Heathcliff se deram muito bem , virando grandes amigos e mais tarde se apaixonando. Já Hindley via em Heathcliff um concorrente ao amor do pai e da irmã e decidiu prenosprezá-lo. Simultaneamente, Catherine conheceu Edgar Linton, um rapaz bonito, culto e educado, que em seguida conquistou seu espaço pelo que possuia de prestígio, enquanto Heathcliff decidiu desaparecer por mais de seis meses, sem dar notîcias sobre seu paradeiro.

Neste meio tempo, Catherine casa-se com Edgar e a história realmente começa quando Heathcliff retorna completamente mudado, ganancioso e faminto por vingança contra todos aqueles que o humilharam. Edgar ama a esposa Catherine, que ama Heathcliff, que a ama, e que é amado por Isabela (irmã de Edgar), com a qual mais tarde teve um filho, o Linton. Já Catherine pouco antes de morrer, teve uma filha, que passou a ser chamada Catherine e que anos mais tarde foi obrigada a casar com o primo Linton, para poder transferir todos os bens à Heathcliff.

O livro surpreende inúmeras vezes, mas o mais interessante é o modo como conta a estória. É uma narrativa poética intensa e sombria. Aborda muito, sem que se note, a parte psicológica. Heathcliff no início era apenas uma criança e como criança era essencialmente bom. Com as circunstâncias, ele adquiriu um perfil muito diferente do que era. É a velha história de Jean-Jacques Rousseau "o homem é bom por natureza. É a sociedade que o corrompe".

Vale a pena lê-lo.

 
musica sobre o livro: "Heathcliff, it's me, Cathy come home
I'm so cold, let me in your window"

3 comentários:

ines bachiega disse...

Eu só vi o filme há muitos anos. Fiquei curiosa sobre o livro...rs
Bj

Lucy disse...

Esse livro é um dos melhores que li na vida! Li há muitos anos, na faculdade, e ainda quero voltar a ler. Mesmo com o passar do tempo, ele é daqueles livros que a gente sempre lembra de um trecho ou outro, ou das emoções transmitidas.

Você sabe que aquela velha música da Kate Bush "Wuthering Heights" é sobre esse livro? Aqui vai o vídeo: http://www.youtube.com/watch?v=jdmvs7r1u9c

"Heathcliff, it's me, Cathy come home
I'm so cold, let me in your window"

:)

Erica Moreira disse...

Oi Lucy,

É demais né? Eu li há alguns meses e agora me deu saudade dos personagens...rsss

É uma literatura bem diferente da que eu estou acostumada, por isso gostei tanto.
Ah, obrigada pela dica da música. Acabei de inserir no post.
bacione