16/07/2010

Temos mesmo que ouvir certas coisas?

Estou lendo o livro O Diário de Anne Frank, outra leitura obrigatória nas escolas européias. Por razões óbvias todos que notam meu livro fazem um pequeno discurso sobre aquele período ou me indicam outros títulos sobre histórias símiles como por exemplo: Amedeo Guillet (biografia) ou Hannah Arendt (Um Relato sobre a Banalidade do Mal). A maioria das pessoas faz comentários enriquecedores e inteligentes, no entanto, hoje um colega de trabalho, ao ver meu livro fez o seguinte comentário: "Nossa você está lendo Anne Frank, esse livro é ridículo, é completamente vitimista e a favor dos Judeus. Ele coloca os hebreus como santinhos. Esse livro fica do lado deles".

Não consegui segurar minha língua: "desculpe, mas você é a favor de Hitler? Fala como um nazista. Esse livro é um diário e como diário conta fatos. Tem certeza que você o leu? O que você entende por vitimismo?" Enfim, ele falava tão seriamente sobre o assunto e acreditava piamente no que dizia que eu pensei "deixa para lá" e ...

deixei...

Não consigo nem comentar tamanha ignorancia!

4 comentários:

Caipirinha e Vinho disse...

Sinceramente, certas vezes nos deparamos com pessoas que, ao abrirem a boca nos deixam sem palavras até mesmo para discordar!!

Triste..

Erica Moreira disse...

Pois é cara, o pior é que ao ler ou assistir filmes e documentários sobre o assunto, muitas vezes me envergonho de nós, seres humanos. Daí, infelizmente percebo que pessoas próximas da gente, ainda acreditam em supremacia.

Márcio Jardim disse...

Erica, infelizmentes somos obrigados a ouvir, a ver a a conviver com opiniões que, realmente, são degradantes... Eu li o livro e achei extraordinário. Mas, o que vale, é o nosso eu... Valorizando isto, as opiniões desta natureza não importam...

Márcio - http://www.toindoparaaitalia.blogspot.com/

Erica Moreira disse...

Oi Márcio,

Não sei como ainda me chateio com algumas opiniões. Cada um tem a sua né? Depois que postei essa mensagem percebi que tem muita gente por aqui a favor da supremacia, a favor do fascismo e que acreditam que Mussolini era um grande líder que poderia ter melhorado a vida de muita gente. No Brasil eu tinha a idéia de os cidadãos europeus tinha uma posição muito forte contra fascismo, nazismo e supremacia, mas não é bem assim. Os dois posicionamentos são muito fortes por aqui.