28/10/2010

Ideologia, eu quero uma para viver...

Vou começar esse texto da mesma forma que meu colega de profissão Carlos Moura iniciou o dele:
Em primeiro lugar eu não sou partidária! Ponto de exclamação (!)

Com todo o respeito às pessoas e às suas opiniões políticas, estou cansada de ler mensagens hipócritas postadas em facebook's, twitter's, orkut's, sites de relacionamento que ao invés de serem utilizados para mostrar informações confiáveis, são usados para compartilhamento de mensagens irreais, por pessoas que sem a preocupação de checar a veracidade dos fatos, têm como objetivo a pura e simples manipulação social. Pois é, viramos marionetes nas mãos da minoria, ou talvez tenhamos sempre sido.

Eu detesto receber mensagens de e-mail ou postagens mentirosas. Antes de me mandarem algo dizendo que a Dilma é isso e o Serra é aquilo, vejam se é verdade, porque quando recebo e-mails sem noção, mando direto para a caixa de spam. Posso aceitar qualquer coisa e opiniões diferentes, até porque o mundo é belo por ser diferente, mas tenho vontade de vomitar quando noto o quanto a imprensa e a elite manipulam a sociedade.

Só que ninguém enxerga o que está a um palmo do nariz, porque para isso precisaria pesquisar, estudar, se educar e isso tudo é cansativo e trabalhoso, né? É mais fácil sair falando o que ouviu dizer, é mais fácil fazer um churrasquinho de final de semana, ouvindo um pagode e um monte de gente dizendo que vai votar para Tiririca's da vida, do que sentar para estudar sobre o candidato que pretende votar. CARA, DESCULPE, MAS A DO TIRIRICA, POR EXEMPLO, PARA MIM NAO DESCEU.

Estou farta também de ler por aí mensagens de gente como eu, PROLETARIA, que diz de boca cheia "vamos derrubar a sig.ra Dilma, porque ela é terrorista ou porque participou sequestros". Recebi um monte de mensagens desse tipo de colegas jornalistas. Eu me pergunto: que merda é essa?

O Brasil que antes era conhecido pelo futebol, hoje já é mencionado como o país do futuro, que dá oportunidades, que diminui indíces de desemprego. Só que o Brasil precisa mesmo é melhorar nível educacional! Brasileiro precisa parar de achar bonito falar do "jeitinho brasileiro". Sonegar impostos, mostrar carteira de polícia para não pagar multa ou entrada em museu e contar que está tirando vantagem em cima dos outros, É FEIO. Talvez ninguém nunca tenha falado para você, mas É REALMENTE MUITO FEIO. 

Daí você vai trabalhar e encontra um monte de gente hipócrita, que não tem onde cair morta e passa a vida tentando mostrar para todo o mundo o que não é. Gente que passa a vida dizendo que gosta mesmo é de hotel cinco estrelas, com ar condicionado e que nunca dormiria em um camping porque não confia, porque é desconfortável, porque é estranho e porque gosta de luxo! Balela... a maior parte dessas pessoas nunca teve o prazer ou o desprazer de acampar e portanto, não pode ter uma opinião crítica sobre o assunto, ou seja, só assumiu como sua, uma opinião alheia.

Você não precisa gostar de acampar ou ser petista ou psdbista, você só precisa não sair gritando asneiras de todos os tipos, só por embalo. Você só precisa perceber que para ter uma opinião própria é preciso sair da sua casinha de palha. E tem outra, tem muita coisa que poderia ser melhor no Brasil, mas também tem muita coisa boa, basta olhar e conseguir enxergar. Se você não é capaz de ver, o simples fato de olhar não significa nada.

Dizem que educação vem do berço...ótimo porque no Brasil nascem 321 bebes por hora. Quem sabe o nosso futuro estará nas mãos deles ...ou não...  

Repito o que eu disse hoje, não adianta esperar por um milagre divino. Se o Brasil for para o buraco, a culpa também será tua.

Pode me criticar à vontade...

Erica Moreira Ritacco

14/10/2010

Livro: Our Iceberg is Melting


Depois de tanto tempo sem ler livros em inglês, resolvi ler um que meu pai me trouxe em março deste ano. Ele já tinha comentado que era muito bom. Tinha razão! Our Iceberg is Melting, de John Kotter, é uma metáfora da vida real e mostra com uma linguagem acessível como enfrentar determinadas situações dentro de empresas, estratégias de negócios, de marketing, abrangendo a vida pessoal. Não é um livro de auto-ajuda, mas sim algo do tipo A Arte da Guerra, de Sun Tzu, que apresenta visões estratégicas e passos simples para não transformar um problema em um problemão.

O livro conta a história de uma comunidade de Pinguins, que percebe que o iceberg onde vivem está derretendo. Inicialmente, somente os "cabeças" da comunidade estavam cientes do problema. Ao saberem do que estava ocorrendo, os pinguins se desesperaram. Em seguida decidiram reunir personagens com diferentes habilidades e capacitações que começam a levantar inúmeras estratégias para solucionar a situação, sem colocar em risco a vida de todos, inclusive dos pequenos que estavam prestes a nascer. O livro é uma fábula, aparentemente muito infantil, mas  que traz de modo incrível uma lição especial: que às vezes é preciso mudar e aceitar as mudanças com mais flexibilidade, sem receios, sem medo de romper tradições, de se desapegar. O desapego é um duro mas imprescindível exercício. E talvez mudando, será necessário mudar novamente e provavelmente sempre será para melhor.  

A gente focaliza muito o uso das estratégias no âmbito profissional, mas não temos idéia do quanto é importante traçarmos a nossa estratégia e nossos objetivos de vida. Colocar no papel o que queremos a curto, médio e longo prazo e elencar as ações necessárias para alcançarmos nossos sonhos. O mesmo acontece no meio de um grande problema. Sem estratégias e capacidade de tomar decisões, você enlouquece. A vezes mudar é a única saída para algo que incomoda.

Eu adorei o livro e espero que você também goste!

12/10/2010

Volley: Brasile miccidiale... campione del mondo!


Avevo detto prima...
Brasile miccidiale...
L´Italia si­ che stata antipatica, siamo sottomessi da questi­ sudamericani... perfino nell economia ed avanzando­ nella politica piu presto di noi arretrati nel tempo...­ davvero stanno per ellegere la prima donna presidente­ del paese. Il colosso Brasile si è svegliato... ma sono­ contento perche il Brasile d´oggi è fatto anche dagli­ uomini e donne italiani quindi viva il Brasile il paese­ del futuro di pace e di tolleranze. 

(tifoso italiano)








 

 

01/10/2010

Livro: A Cabana / Il Rifugio

"Mackenzie, faz um tempo. Senti sua falta. Estarei na cabana no final de semana que vem, se você quiser me encontrar". 


Este é um importante trecho do livro A Cabana, de William P.Young, lançado em 2007 e que já teve mais de 12 milhões de cópias vendidas. O livro gira em torno da mensagem acima, enviada por Deus à Mackenzie Allen Philips, um canadense que quatro anos antes teve a filha raptada e assassinada dentro da cabana.

Tudo aconteceu quando Mack e seus três filhos foram acampar nas montanhas do Canadá. O que era para ser uma doce lembrança de férias, se transformou em tragédia e terror. Eles passaram dias agradáveis até uma manhã em que os filhos mais velhos de Mack, que estavam no lago, quase se afogaram. Mack correu para socorrê-los, deixando a pequena Missy, de seis anos, sozinha por alguns minutos. Bastou pouco tempo para que fosse sequestrada, sem que ninguém notasse. 

Quando Mack voltou à barraca onde Missy tinha ficado desenhando, não a viu. Desesperado, procurou a polícia que começou uma longa busca. O único vestígio que encontraram foi o vestido vermelho que a filha usava, todo ensanguentado dentro de uma cabana no meio do nada. Sim, Missy foi assassinada e Mack perdeu completamente as esperanças e a confiança em Deus, destinando-se a viver acompanhado pela Grande Tristeza

Seria no dia de uma grande nevasca - quando Mack receberia um bilhete de Deus - que tudo mudaria mais uma vez em sua vida, mas  agora ele poderia fazer escolhas. A mensagem o convidava para encontrá-lo na Cabana e lhe dava a possibilidade de conhecer a verdade. Mesmo sem acreditar que fosse Deus, Mack resolveu arriscar e descobrir se aquela carta era uma brincadeira de mal gosto. Na cabana, encontrou Deus, Jesus e Sarayu e começaram a conversar de igual para igual. Eles não eram bem aquilo que Mack esperava do ponto de vista físico,  mas como seres superiores não se questionava.

Ali, Mack passou algum tempo, onde pôde aprender muito sobre a vida, perdão, amor, entre outros sentimentos nobres. Foi lá que obteve respostas para suas perguntas e que passou a aceitar e compreender que a vida é muito mais do que o mundo material, que Deus está por todos os lados, independente de religiões, que os preconceitos são abomináveis e que na verdade, a idéia de que o ser humano é completamente livre e independente não passa de uma ilusão.

Gostei do livro, especialmente do final, que não relatarei para não ser estraga prazeres. Acho que se eu relesse sabendo a mensagem final, aproveitaria ainda mais a história. Quem sabe mais adiante? Esta aí, mais uma dica de leitura!

No vídeo abaixo é possível conferir a entrevista do autor, concedida a CBN.com