12/01/2011

Acquapendente (Itália): a cidade onde é proibido ficar doente


Em outubro de 2010 Alberto Bambini, prefeito da cidade de Acquapendente, localizada na província de Viterbo - entre a Toscana e a Umbria - aprovou uma lei que proíbe a população de ficar doente e utilizar os hospitais da região. Desde janeiro de 2011, quando teve início a desativação dos hospitais, o cidadãos são obrigados a não contrair qualquer doença ou patologia que precise de interventos em hospitais, especialmente os casos urgentes. A nova lei exige também que a população tenha comportamentos que não coloquem em risco a saúde, evitando qualquer incidente fora ou dentro de casa.

Para não contrariar as imposições vigentes, a prefeitura considerou oportuno não sair frequentemente de casa, viajar ou praticar esportes. O conselho dado é o de ficar o máximo de tempo em repouso. Quem transgredir a lei poderá pagar multas que serão avaliadas de acordo com a doença ou patologia contraída. 

Ridículo, né? A princípio me faltaram palavras para me expressar sobre o assunto. Apesar de saber que esta lei tinha sido aprovada em outubro, preferi esperar até janeiro para ver se a decisão era para dar ibope ou se o prefeito realmente pretendia levar essa lei a sério.  O mais engraçado e patético é que além da pessoa ficar doente e ter que pagar por isso, a prefeitura solicita algo totalmente incoerente com a qualidade de vida: "não sair com frequência, viajar ou praticar esporte"? Não precisa ser médico ou um expert para perceber a enorme besteira que eles estão dizendo.


No link ao lado segue o documento extraído do site do comune (prefeitura): http://www.comuneacquapendente.it/civitas/ordinanze/ordinanza-sanita_decreto-polverini.doc

É óbvio que o caso citado acima não reflete a realidade do sistema de saúde italiano, que inclusive no meu ponto de vista funciona muito bem, apesar de ser gratuito.

Todo o cidadão legal tem um doutor de família, que em caso de doença vai até a casa do paciente examiná-lo, se o mesmo não estiver em condições de ir ao consultório. O atendimento é gratuito. Caso seja uma urgência, o cidadão vai ao hospital onde será atendido. De acordo com a gravidade da situação, não pagará nada e terá a prioridade de atendimento. Por exemplo, se uma pessoa vai ao hospital com uma dorzinha simples (que deveria ser tratada com o médico da família) será atendida quando não houver mais pacientes graves e poderá pagar uma taxa pela consulta. O paciente que tiver de fazer exames pagará somente um ticket se utilizar o serviço nacional sanitário, ou seja deixando de lado algumas situações bizarras como a de Acquapendente, o sistema de saúde não é um problema na Itália em geral.

8 comentários:

Juliana Rossa disse...

Caramba!
Sério, esse prefeito só pode ser louco.
Pobres dos moradores dessa cidade!
Bjsss!

Erica Moreira disse...

Juliana, lendo o texto original me parece aquelas piadas que a gente faz no Brasil para desvalorizar um político. Os cidadãos dalí estão perdidos!

Lucy disse...

Essa foi uma piada excelente! Igual aquela da raposa que matou o caçador na Bielorussia, ficou sabendo?
http://www.newsamen.com/102631/fox-shot-the-hunter

Erica Moreira disse...

Oi Lucy,
Acabei de ler o artigo.
Fala sério! kkkk

Antonio disse...

Ciao , ho trovato il vs blog attraverso il commento di Erica sul blog di Lili ( Artigianale) del quale sono lettore .
Anche io in passato sono stato un viaggiatore e i viaggi sono stati sempre dentro di me . L'ultimo l'ho fatto in Agosto 2010 in vespa con mia figlia di 12 anni in vespa ( la spezia - messina a|r ) di 2400 km . darò un occhiata ai vostri viaggi di tanto in tanto .

un saluto

Vivis disse...

Falou tudo Érica: patético!
Não acredito que estou lendo isso mesmo:
"Di assumere comportamenti che non mettano a rischio la salute, evitando qualsiasi incidente anche domestico e pertanto è opportuno non uscire troppo spesso o viaggiare o fa...re sport, restando invece il maggior tempo possibile a riposo"

Márcio Jardim disse...

Olá Erica,... as pessoas fazem umas coisas que deixam a gente de boca aberta...rs
abs

Allan Robert P. J. disse...

A cidade deveria ser proibida de ter prefeito. :)