20/07/2012

O Jogo do Anjo

Terminei de ler recentemente o livro O Jogo do Anjo (Il Gioco dell'Angelo, em italiano). A estória, escrita pelo catalão Carlos Ruiz Zafón, mesmo autor do best-seller A Sombra do Vento (L'ombra del Vento), se desenvolve em uma Barcelona gótica em meados dos anos 20 e se estende até pouco depois da guerra civil espanhola, (1939). 

"Um escritor nunca esquece a primeira vez em que aceita algumas moedas ou um elogio em troca de uma história. Nunca esquece a primeira vez em que sente o doce veneno da vaidade no sangue e começa a acreditar que, se conseguir disfarçar sua falta de talento, o sonho da literatura será capaz de garantir um teto sobre sua cabeça, um prato quente no final do dia e aquilo que mais deseja: seu nome impresso num miserável pedaço de papel, que certamente vai viver mais do que ele. Um escritor está condenado a recordar esse momento porque, a partir daí, ele está perdido e sua alma já tem um preço."

Assim começa O Jogo do Anjo e ouso afirmar que o parágrafo acima representa muito  bem a estória vivida pelo personagem David Martín, jovem que ao ser impedido de viver todas as fases normais de um adolescente, acabou por assumir grandes responsabilidades sozinho. Quando menino, se apaixonou perdidamente pela literatura, chegando ao ponto de ser agredido fisicamente várias vezes por seu pai, que não aceitava que ele tivesse o hábito de ler.

Com a morte precoce do pai, foi recomendado por seu tutor e melhor amigo, Pedro Vidal, para trabalhar no jornal A Voz da Indústria, onde em pouco tempo passou a atuar como jornalista. Aos poucos, Martín se desenvolveu profissionalmente e foi contratado pela editora Barrido e Escobillas para escrever uma série mensal chamada A Cidade dos Malditos, que exigia dedicação total e que seus textos fossem assinados com um pseudônimo. Apesar da alta carga de trabalho e da impossibilidade de assinar seu nome em suas estórias, David estava feliz com a oportunidade de exercitar o que mais amava fazer: escrever.

Ele ficava semanas trancado em seu estúdio, na assustadora Casa da Torre (onde morava), sem nem ao menos ver a luz do dia. Trabalhava enlouquecidamente para entregar tudo em dia, se afastou de seus amigos Pedro Vidal e Sempere (proprietário da livraria) e passou a evitar todas as possibilidades de contato com o mundo exterior. Se distanciou de Cristina, o amor de sua vida, e ela por sua vez, em pouco tempo, se casou com Pedro Vidal.

Foi exatamente da calmaria que nasceu o grande caos na vida de Martín: sua obsessão por livros, seu objetivo de ficar famoso e imortal, seu amor pela bela Cristina e a descoberta de que estava com câncer terminal, o impulsionaram a tomar decisões que mudariam para sempre a sua trajetória. 

Numa certa manhã,  David recebeu a visita de um editor parisiense Andreas Corelli, durante a qual se surpreendeu com uma proposta, que o beneficiaria com uma "generosa" remuneração e lhe daria a oportunidade que ele tanto desejava: ser imortal. Para isso, ele teria que desenvolver uma nova "Bíblia", que serviria como fundamento para a criação de uma nova religião. Martín decidiu aceitar a proposta, apesar de sua preocupação com o fato de ter um longo contrato de exclusividade com a editora Barrido e Escobillas. Isto porque Corelli lhe garantiu que providenciaria, juntamente com seus advogados, o encerramento dessas cláusulas contratuais com a antiga editora. No dia seguinte a notícia estava impressa em todos os jornais: um incêndio na editora Barrido foi responsável pela morte dos sócios, colocando, a partir daquele momento, fim no contrato de David, que estaria livre para trabalhar duramente para Corelli.
Esse foi o primeiro dos inúmeros "acidentes" e mortes que viriam a acontecer, depois da proposta de  Corelli. 

Se você pretende ler o livro, pare por aqui!
---------------------------------------------------------------------------------------------------





A história definitivamente não me cativou. Para ser sincera, esta é a segunda obra de Zafón que não me conquista. Diversos cenários e momentos descritos no livro me fizeram relembrar a Sombra do Vento. Em meu ponto de vista, acho que falta dinâmica na história e um pouco de criatividade por parte do autor para criar um  cenário mais original e diferente daquilo que que vimos anteriormente. Os próprios personagens são parecidos em ambos os livros e os mistérios de Barcelona são citados sobre a mesma perspectiva. Um livro sem sal e sem açúcar. Não recomendo!

09/06/2012

Gastos em Alimentação

Quanto você gasta em uma compra de alimentos para duas pessoas no Brasil? Hoje fomos ao supermercado e compramos uma quantidade e diversidade de alimentos suficientes para quase um mês, já que não almoçamos em casa. 

Compramos desde frios (diferentes tipos de queijos, presunto, salame, mortadella), até yogurtes, azeite extra virgem, frutas, sucos de caixinha, garrafas de chá gelado, legumes, manteiga, Rum, chocolate e produtos de higiene pessoal. Não incluí nesta relação carnes e bebidas como vinho e cerveja, no entanto aqui estes artigos custam pouco.  

Foram 85 produtos e sabe quanto gastamos? Pouquíssimo! Praticamente € 85,00, o que corresponde a € 1,00 por produto, um cálculo absurdo para quem conhece a realidade brasileira. Mesmo que você fizesse a conversão para saber a quanto equivaleria em real, este valor ainda ficaria abaixo da média do Brasil. É claro que existem supermercados para todos os gostos e bolsos. Neste caso específico, fomos ao Eurospin, um dos mercados mais econômico de Milão, mas existem também outros muito convenientes como o Lidl, que podem ser encontrados em diversos países. O Esselunga, o Coop e Carrefour são mais caros. Veja uma relação de artigos e preços no Eurospin:


Em outros posts já abordei a diferença de preços de carros, celulares e máquinas fotográficas aquistados no Brasil e na Itália, diferenças tão gritantes que não compreendo como o povo brasileiro continua pagando tanto, sem se manifestar ou boicotar o Sistema. 

O fato de a economia estar aquecida e de que tudo pode ser parcelado no Brasil obviamente ajuda muito. O problema é que essa facilidade de financiamento faz com que as pessoas se afundem em montanhas de dívidas e não consigam programar um futuro com tranquilidade.  Em meu ponto de vista, a matéria de Educação Financeira deveria ser inserida entre as disciplinas do ensino fundamental. Assim, jovens e crianças se desenvolveriam e se transformariam futuramente em adultos capazes de discernir qual é o melhor investimento para seu dinheiro. Neste caso, duvido que as pessoas fariam dívidas longas e pagariam por bens tão caros, sem ao menos se manifestar.

Na Itália, por exemplo, quase ninguém compra um carro parcelado em 5 anos, primeiro porque os preços são acessíveis à todos, segundo porque o europeu tem o costume de pagar à vista. 

Apesar do negativo cenário europeu e do aumento dos preços da gasolina, do transporte público, das taxas em geral, a Itália ainda consegue manter o foco na qualidade de vida. O "Dolce Fare Niente" já não existe por aqui, mas a valorização do comer e viver bem, por enquanto, não deixaram de fazer parte do perfil italiano. 


Deixe seu comentário, se possível especificando o quanto você gasta em uma compra semelhante ao meu exemplo mencionado acima.

21/04/2012

E o tempo passa...


Há 4 anos colocamos as malas nas costas e partimos para a Itália em busca de experiências, aventuras e maturidade. Na época deixamos nossos trabalhos para partirmos para um mundo completamente desconhecido. Saímos do Brasil quando eramos recém-casados e não tínhamos idéia do quanto esta experiência nos tornaria fortes.

Conhecemos muitas pessoas que foram embora sem terem a oportunidade de viajar, crescer pessoalmente e profissionalmente e de concluir objetivos. Ao mesmo tempo, conhecemos pessoas incríveis que valem por uma vida inteira, inteligentes, admiráveis, capazes de fazer você enxergar o sol em meio às tempestades.
Viajamos bastante, mas também sofremos bastante pela distância daqueles que amamos, pela ausência de nossos amigos, pelo fato de sermos estrangeiros e pela dificuldade de adaptação em um país que fala outra língua, tem outras regras e outra cultura. Só quem já morou no exterior pode compreender!

Chegamos animados e muitas vezes desanimamos. Por um tempo nos deixamos influênciar pelo negativismo e sensação de impotência presente na maior parte da sociedade italiana, mas quando já não tínhamos mais "gás", tudo mudou e conhecemos outras pessoas sensacionais, tivemos outros desafios e estímulos.

Então, hoje apesar de me sentir estranha, por perceber que o tempo voou, estou feliz porque sei que esta etapa nós vencemos e que venceremos as próximas e as próximas...

Reconheço o quanto fomos corajosos e agradeço a Deus que esta coragem tenha vindo no tempo certo e que tenha colocado em minha vida um homem tão especial que opta por VIVER em primeiro lugar, que deseja o mesmo que eu: SER FELIZ COM AS PEQUENAS COISAS na Itália ou em qualquer lugar. 

18/03/2012

Os melhores vinhos do mundo

Matéria publicada pelo Corriere della Sera, em 17 de março mostra quais foram os vinhos considerados os 100 melhores do mundo. Trata-se de um estudo realizado pelo sommelier campeao mundial 2010, Luca Gardini, que em parceria com o professor Pierluigi Gorgoni e os jornalistas Andrea Grignaffini e Marco Pozzali publicam a Enciclopédia do Vino. A obra aborda aspéctos històricos, de enologia, dicas de vinhos e combinaçoes com pratos gastronomicos. Além disso, apresenta os 3.000 melhores vinhos, os 100 produtos top e os 100 Best Wines. Abaixo elenco a seleçao dos 100 melhores vinhos. Para ler a matéria completa do Corriere della Sera clique aqui.



Lista dos 100 melhores vinhos do mundo (os vinhos italianos estao marcados em vermelho):
 
1) Port Vintage Nacional 2003, Quinta do Noval
2) Romanée-Conti Grand Cru 2008, Domaine de la Romanée-Conti
3) Musigny Grand Cru 2008, Domaine Leroy
4) Chambertin Grand Cru 2008, Domaine Leroy
5) La Tache Grand Cru 2008, Domaine de la Romanée-Conti
6) Chambertin Gran Cru 2009, Domaine Armand Rousseau
7) Champagne Brut Oenothèque 1996, Dom Pérignon
8) Brauneberger Juffer Sonnenuhr Riesling Trockenbeerenauslese 2007, Fritz Haag
9) Chateau Margaux 2009, Chateau Maragux (Margaux)
10) Montrachet Grand Cru 2007, Domaine de la Romanée-Conti
11) Musigny Grand Cru 2009, Domaine Roumier
12) Montrachet Grand Cru 2007, Domaine Ramonet
13) Corton-Charlemagne rand Cru 2008, Domaine Leroy
14) Corton-Charlemagne Grand Cru 2008, Domaine Coche-Dury
15) Vouvray Cuvée Constance 2009, Domaine Huet
16) Champagne Brut Blanc de Blancs Clos du Mesnil 1998, Krug
17) Paulliac Chateau Latour 2009, Chateau Latour
18) Chevalier-Montrachet Grand Cru 2007, Domaine Leflaive
19) Barolo Monprivato Ca’ d’Morissio Riserva 2003, Giuseppe Mascarello  e figlio
20) Saumur Champigny Le Bourg 2007, Clos Rougeard
21) Pinot Gris Clos Windsbuhl Sélection de Grains Nobles Trie Spéciale 2007, Domaine Zind Humbrecht
22) Riesling Niederhauser Hermannshohle Trockenbeerenauslese 2009, Donnhoff
23) Chevalier-Montrachet Grand Cru 2004, Domaine d’Auvenay
24) Sauternes 2008, Chateau d’Yquem
25) Barolo Monfortino Riserva 2002, Giacomo Conterno
26) Pomerol 2009, Chateau Petrus
27)  St. Emilion  2009, Chateau Ausone
28) Hermitage Rouge 2005, Domaine Jean-Louis Chave
29) Pinot Gris Altenbourg Quintessence de Grains Nobles Cuvée d’Or 2008, Domaine Weinbach
30) Chateauneuf-du-Pape Réserve des Célestins 2004, Henri Bonneau
31) Champagne Extra brut R.D. 1999, Bollinger
32) Pomerol Chateau Lafleur 2009, Chateau Lafleur
33) Barolo 2006, Bartolo Mascarello
34) Musigny Grand Cru 2008, Domaine Jacques-Frédéric Mugnier
35) Pauillac Chateau Mouton-Rothschild 2009, Chateau Mouton-Rothschild
36) Chablis Grand Cru Le Clos 2007, Domaine Raveneau
37) Vosne-Romanée 1er Cru Cros Parantoux 2009, Domaine Emmanuel Rouget
38) Shiraz Hill of Grace 2006, Henschke
39) Pauillac Chateau Lafite-Rothschild 2009, Chateau Lafite-Rothschild
40) Wehlener Sonnenuhr Riesling Auslese GoldKapsel 2009, Joh. Jos. Prum
41) Chambertin Grand Cru Clos de bèze Vieilles Vignes 2009, Dominique Laurent
42) Brunello di Montalcino Riserva 2004, Case Basse – Gianfranco Soldera
43) Richebourg Grand Cru 2009, Domaine Anne Gros
44) Barbaresco Asili Riserva 2004, Bruno Giacosa
45) Champagne Brut Cuvée Sir Winston Churchill 1999, Pol Roger
46) Westhofener Brunnenhauschen Abtserde Riesling Trocken Grosses gewachs 2009, Weingut Keller
47) Grand Cru Chambertin Grand Cru 2009, Domaine Trapet pèere & fils
48) Scharzhofberger Riesling trockenbeerenauslese 2005, Egon Muller
49) Ribera del Duero Unico 2000, Vega Sicilia
50) Barolo Cannubi S.Lorenzo – Ravera 2006, Giuseppe Rinaldi
51) Châteauneuf-du-Pape Réserve Rouge 2005, Château Rayas
52) Grand Cru La Romanée 2009, Domaine du Comte Liger-Belair
53) Grange 2006, Penfolds
54) Riesling Clos St. Hune 2005, Trimbach
55) Gimmeldinger Schlossel Rieslaner Beerenauslese 2009, Müller-Catoir
56)  Cornas Reynard 2005, Thierry Allemand
57) « S » Champagne Brut Blanc de Blancs 1999, Salon
58) Pessac Leognan 2009, Château La Mission Haut-Brion
59) St.Julien 2009, Château Léoville Las Cases
60) Grand Cru Montrachet 2007, Domaine des Comtes Lafon
61) Barbaresco Crichët Pajé 2001, Roagna
62)  Cabernet Sauvignon 2007, Screaming Eagle Napa Valley
63) Le Pergole Torte Toscana Igt 2007, Montevertine
64) Ermitage Blanc l’Ermite 2008, M. Chapoutier
65) Priorat L’Ermita 2007, Alvaro Palacios
66) Côte-Rôtie Lancement 2007, Domaine Ogier
67) Valtellina Grumello Riserva Buon Consiglio 2001, Ar.Pe.Pe.
68) Côtes du Roussillon Villages La Muntada 2008, Domaine Gauby
69) Amarone della Valpolicella Classico selezione Giuseppe Quintarelli 2000, Giuseppe Quintarelli
70) Riesling Trockenbeerenauslese Kiedrich Gräfenberg 2009, Robert Weil
71) Vin de Constance 2005, Klein Constantia
72) Giulio Ferrari Riserva del Fondatore 1993, Ferrari
73) Rare Sherry Solera B.C. 200, Bodega Osborne
74) Malvasia di Bosa 2006, Giovanni Battista Columbu
75) Quinta de Vargellas Porto Vintage Vinha Velha 2007, Taylor’s
76) Brunello di Montalcino 2004, Fattoria Poggio di Sotto
77) Ribera del Duero Pingus 2008, Dominio de Pingus
78) Il Caberlot Toscana Igt 2007, Podere Il Carnasciale
79) Ermitage Rouge L’Ermite 2007, M.Chapoutier
80) Marsala Superiore 1986, De Bartoli
81) Friuli Vitovska, Vodopivec
82) Mendoza Malbec Finca Altamira 2008, Achaval Ferrer
83) Cabernet Sauvignon Hillside Select 2005, Shafer
84) Blanc Pessac Leognan 2009, Château Haut-Brion
85) Brunello di Montalcino 2006, Cerbaiona
86) Red 2007, Harlan Estate Proprietary
87) Blanc St. Emilion 2009, Château Cheval
88) Barolo riserva Bricco Boschis Vigna San Giuseppe 2005, Cavallotto
89) Nackenheim Rothemberg Riesling Trockenbeerenauslese 2005, Gunderloch
90) Sorì San Lorenzo Langhe Nebbiolo 2006, Gaja
91) Barsac 2008, Château Climens
92) Arbois Savagnin Réserve de Caveau 2007, Lucien Aviet & Fils – Caveau de Bacchus
93) Masseto Toscana Igt 2007, Tenuta dell’Ornellaia
94) Arbois Pupillin Vin Jaune 1999, Domaine Pierre Overnoy
95) Vernaccia di Oristano antico Gregori, Attilio Contini
96) Rioja Castillo Ygay Gran Reserva Especial  2001 , Marqués de Murrieta
97) Barolo riserva Bussia 2001, Parusso
98) Ribera del Duero Pesus 2006, Viña Sastre
99) Moscato d’Asti Vigna Vecchia 2005, Ca’ d’Gal
100) Pinot Noir Sonoma Coast Cuvée Elizabeth 2006, Kistler

*Informaçoes obtidas no Corriere della Sera, 17/03/2012

10/02/2012

A melhor foto do ano 2012

Com a foto de um ferido sendo abraçado por uma mulher com o rosto encoberto por um véu, capturada nas revoltas do Iêmen, o fotógrafo espanhol Samuel Aranda se tornou o vencedor do World Press Photo 2012, o prêmio internacional mais importante de fotojornalismo. Escolhida a melhor entre as 100.000 fotografias prè selecionadas....

Complimenti!

http://www.samuelaranda.net/

06/02/2012

A incompetência tolerada

Hoje chamamos a assistência técnica porque o servidor da empresa estava desligando e consequentemente os computadores também. Quando o técnico chegou, explicamos o que houve e ele nos disse para retirarmos as tomadas da corrente elétrica, pois com certeza seria um problema de sobrecarga. Informamos que não era possível, pois sempre funcionou bem e já que não ligamos nada de anormal na tomada, a conclusão dele não fazia sentido. Ele respondeu: "bem, se a chave do servidor desativar, desliga a máquina de água, se ainda assim desativar, desliga a máquina de café e o microondas". Só faltou dizer que se ainda assim 'caisse' deveríamos desligar o computador, que o problema estaria resolvido. 

Não sei se eu tive sorte de trabalhar com gente competente em minha vida ou se realmente a incompetência por aqui é que é gritante. O pior é que mais do que gritante, ela parece ser normal e aceita pela sociedade. Ficamos tão boquiabertos que não tivemos reação a não ser chamar o eletricista, que nos comunicou que estava tudo normal. Ele mencionou algo incrível: algum equipamento eletrônico estava consumindo muita energia, mas que não teria como procurar o problema. Bem, se ele não podia procurar o problema, imagine a gente. Moral da história, NADA RESOLVIDO!

Abaixo insiro um pequeno episódio do programa italiano chamado I Soliti Idioti (transmitido na MTV) que representa um bom exemplo do atendimento e serviços oferecidos na Itália. É lógico que estou generalizando e que toda a generalização é burra, mas acho que vou correr o risco de emburrecer.  Segue o vídeo, engraçado mas real:




05/02/2012

Retornando aos poucos


Começo a escrever este post me desculpando com todas as pessoas que seguiam este blog até recentemente. Eu sei que desapareci, mas não foi porque não tenho notícias para contar do velho continente e sim porque estamos em um ritmo diferente de vida. Eu particularmente tive que deixar algumas coisas de lado para poder me dedicar às outras que requerem mais tempo.Isso não significa que vir até aqui e escrever não tenha importância para mim, muito pelo contrário, escrever é minha vida e faz com que eu me sinta viva. Receber comentários ou e-mails de leitores interessados em dicas sobre viagens ou até em contrariar minhas idéias me enriquece. Por isso eu me desculpo com todos que entraram neste blog, procurando novidades e se perguntaram se eu tinha desistido. Eu não desisti, aliás eu raramente desisto! É só uma fase em que o tempo é escasso. 

Tenho muitas dicas para dar sobre viagens que fizemos este ano, muitos objetivos para cumprir, entre elas, reavaliar os focos, o tempo e as próprias metas. Este ano é ano de realizar, de colocar em prática, de exercitar. Em abril completaremos 4 anos na Itália e neste período aprendemos demais, viajamos como nunca teríamos feito morando no Brasil, fazendo parte de uma classe que mais paga do que se diverte. 

Aprendemos outra língua e a nos comunicar em diferentes idiomas. Conhecemos culturas diferentes, mas acima de tudo, aprendemos que para fazer comparações é preciso conhecer pessoalmente. Nem tudo vem escrito nos livros e viver de verdade tem muito mais valor. Aprendemos aqui o real valor das coisas: que o excesso é supérfluo, que o surpérfluo transforma as pessoas em seres fúteis e que não existe nada mais patético do que pessoas superfíciais. 

Concerto de música clássica, teatro medieval em Bergamo (Itália)
Música no metrô em Milão
Há 4 anos deixamos o Brasil em busca de experiência de vida, de enriquecimento cultural e pessoal, mas conseguimos muito mais. Quando vivemos no exterior, as coisas são bem complicadas, porque além de você estar longe de sua família e amigos,  muitas vezes não conhece todos os seus direitos, tem dificuldade de se integrar e se sente um peixe fora do aquário. Até que um dia você acorda e percebe que as peças se encaixam, que tudo começa a fazer sentido e que talvez não seja mais possível se adaptar ao supérfluo tão impregnado na sociedade. 
Passeando por Bergamo, Itália

Passeando pelas ruas de Praga
Hoje eu sei que não preciso de muito, só preciso de metas, só preciso sentir prazer, só preciso do necessário para enriquecer a alma e a alma se enriquece quando conseguimos olhar e enxergar, quando temos amigos, amores, família e quando nos permitimos colocar o pé na estrada. Isso é muito mais do que suficiente, isso é essencial! 
***No próximo post contarei algumas dicas de Amsterdam!