23/09/2013

A diferença está em ...

Gostaria de ter inspiração para escrever com mais frequência  mas diante da quantidade de informações que recebemos diariamente, muitas vezes, acabo entrando em stand by. Bem, eu particularmente nunca quis ser escritora. Meu desejo, quando menina, era de ser jornalista de campo, cobrir guerras, golpes de Estado, representar o lado fraco,  mas as coisas mudam. O bom de ser jovem são esses sonhos grandiosos de mudar o mundo. O jovem esbanja coragem para todos os lados, mas mais do que coragem, ele esbanja uma paixão imensurável por tudo o que acontece em sua volta. O jovem faz com que as coisas mais simples pareçam grandiosas, enquanto o adulto faz com que o grandioso pareça bem simples.

Claro que existem gerações e gerações, mas se considerarmos o TODO, são os jovens que podem definitivamente fazer a DIFERENÇA. 

É engraçado como com o passar do tempo, nossas paixões vão se acalmando e a coragem de querer mudar o mundo 'doa a quem doer', acaba sendo substituída por um forte sentimento de 'preciso tocar a vida, pensar no futuro'. Neste momento não se trata mais daquele futuro que estava em questão quando eramos jovens,  do futuro coletivo. Se trata de lutar pelo futuro do ser como individuo. A paixão enlouquecedora por causas, aos poucos, cede lugar à uma paixão com pouca essência  que passa a caber espaçosamente dentro do peito. Daí as coisas começam a perder sentido e o mundo a sua graça! 

Deveríamos ser eternamente jovens revolucionários, insatisfeitos e em busca de causas que pudessem mudar o mundo e não somente a vida de cada um de nós. Talvez, neste caso, viveríamos em uma realidade caótica, mas ao mesmo tempo chegaríamos mais rápido a um objetivo comum e teríamos um lugar muito melhor para viver.

Gradualmente vamos nos tornando políticos e sensatos. Só que as pessoas sensatas são CHATAS DEMAIS. Prefiro me tornar insana a ser totalmente sensata. Prefiro morrer por uma grande causa do que me tornar egoísta lutando somente por mim. Prefiro sofrer de paixão por tudo o que faço do que me tornar insensível diante de tudo. 

Mas é quase impossível não se influenciar por essa sociedade sensata, egoísta, medíocre e sem coragem para mudar efetivamente as coisas. Você acaba tendo que se adaptar a ela ou está fora do jogo. Hoje, quando penso no futuro, penso em nosso destino e no das pessoas mais próximas. Neste momento, passo a me preocupar com a rapidez com que tendo me tornado uma sensata seguidora de regras e me apavoro com a ideia de perder a coragem e de passar por AQUI sem ter feito nenhuma diferença!




12/09/2013

Descanse em paz Pai!

Gute,
Não consigo descrever o que estou sentindo, só tenho boas lembranças, bons momentos e agradecimentos a ti por tudo que fez por nos.
Saudades Eternas
Descanse em paz Pai!
Fique com Deus!


Marcelo Ritacco

"Ascensão

E se eu for embora
Enquanto você ainda estiver aqui...
Saiba que eu continuo a viver,
Vibrando com outra intensidade,
Atrás de um delicado véu que seu olhar,
Não pode atravessar.
Você não me verá:
Portanto você deve ter fé.
Eu esperarei o momento em que novamente
Poderemos nos liberar juntos num voo,
Ambos sabendo que o outro está ali ao lado.
Até lá, viva a vida em sua plenitude.
E quando você precisar de mim,
Sussurra meu nome em teu coração,
... E estarei ali. "

Colleen Corah Hitchcock

Até Logo Gute!


O dia de ontem marcou um momento muito triste em nossa vida. Perdemos uma pessoa muito especial: meu sogro Gute. Desde quinta-feira, quando ele teve um AVC hemorrágico, estávamos em muitos rezando para que ele saísse do coma e que tivesse o mínimo de sequelas possível. Em alguns momentos, mesmo em coma, ele reagiu e nos deu a esperança de que conseguiria superar essa dificuldade. Eu, particularmente, achei que se ele tivesse que nos deixar, não teria esperado uma semana. Tínhamos a certeza de que ficaria conosco e só pedíamos para que as sequelas fossem as menores e recuperáveis. Agora sei que talvez ele tenha esperado este tempo para tranquilizar um pouco cada coração e para que pudéssemos nos despedir, alguns em presença, outros em pensamento. Ele nos deu a oportunidade de nos "ligarmos" mais a ele durante todos os minutos da última semana e de termos que lidar com a possibilidade de sua partida.

É difícil pensar em não ver mais alguém que amamos e que nos é importante. Essa ausência provoca uma dor física que parece insuportável. Dói ver os filhos precisarem ser fortes perante uma situação como esta. Dói estar longe. Dói saber que de um modo ou de outro precisamos caminhar adiante.  

Poderia ser mais fácil aceitar a despedida, afinal nós nascemos sabendo que um dia todos iremos embora. No entanto, a gente cresce, trabalha, vive e nunca compreende que teremos que nos deparar com perdas. Dentro de nós sabemos que tudo continua, ou ao menos queremos que seja assim, mas acho que somos egoístas o suficiente para desejarmos ficar juntos aqui para sempre. 

Nos últimos dias pedimos muito pela saúde do Gute, mas Deus não quis que ele ficasse aqui sofrendo. Não seria nem justo que ele tivesse que permanecer em nosso mundo nestas circunstancias.  Ontem, com aquela dor que invadia os corações de todos abrimos o Evangelho aleatoriamente e a página dizia tudo o que precisamos aprender. Reescrevo aqui essas palavras, mas antes peço para Deus confortar o coração da Michele, do Marcelo, Vanessa, Gabriel, Elizete, dos outros filhos e de todos os amigos que hoje sentem a dor da perda. Peço para que o Papai do Céu o receba com muito carinho e que ele faça uma boa viagem. 

Perante à morte, as coisas da vida terrena perdem sentido. Perante a morte, as coisas da vida terrena ganham sentido! É confuso, somos muito pouco espiritualizados para aceitar. No final, todos temos pouco tempo para amar e dizer que amamos, para viver o que tem valor de verdade. Não dá mais para perder tempo! 

Ficam as lembranças, os momentos, o amor. Fica um Gute eterno na sua jovialidade, no seu humor, na sua sinceridade, na sua espontaneidade, em suas criações. Fica um Gute que passou por aqui e fez amizades por onde passou, que criou seus filhos com amor, honestidade e bondade. Fica um Gute que já deixa saudades.
   
Evangelho Segundo o Espiritismo - Allan Kardec
       7 – E a outro disse Jesus: Segue-me. E ele lhe disse: Senhor, permite-me que vá eu primeiro enterrar meu pai. E Jesus lhe respondeu: Deixa que os mortos enterrem os seus mortos, e tu vai e anuncia o Reino de Deus. (Lucas, IX: 59-60).
      8 – O que podem significar estas palavras: “Deixa que os mortos enterrem os seus mortos”? As considerações precedentes já nos mostraram, antes de tudo, que, na circunstância em que foram pronunciadas, não podiam exprimir uma censura àquele que considerava um dever de piedade filial ir sepultar o pai. Mas elas encerram um sentido mais profundo, que só um conhecimento mais completo da vida espiritual pode fazer compreender.
      A vida espiritual é, realmente, a verdadeira vida, a vida normal do Espírito. Sua existência terrena é transitória e passageira, uma espécie de morte, se comparada ao esplendor e à atividade da vida espiritual. O corpo: é uma vestimenta grosseira, que envolve temporariamente o Espírito, verdadeira cadeia que o prende à gleba terrena, e da qual ele se sente feliz em libertar-se. O respeito que temos pelos mortos não se refere à matéria, mas, através da lembrança, ao Espírito ausente. É semelhante ao que temos pelos objetos que lhe pertenceram, que ele tocou em vida, e que guardamos como relíquias. Era isso que aquele homem não podia compreender por si mesmo. Jesus lho ensinou; dizendo: Não vos inquieteis com o corpo, mas pensai antes no Espírito; ide pregar o Reino de Deus: ide dizer aos homens que a sua pátria não se concentra na Terra, mas no Céu, porque somente lá é que se vive a verdadeira vida.

08/09/2013

Lago D'orta - lugar que transmite uma paz imensurável, onde você consegue sentir a presença dELE por todos os lugares

Ontem estava triste pois uma pessoa muito importante em nossas vidas está em estado muito grave. Em minha oração abri o Evangelho Segundo o Espiritismo de Alan Kardec e apareceu uma lição muito bonita, que nos diz para valorizar cada um de nossos momentos. Abaixo escrevo um dos trechos que foram mais significativos e que serve para cada um de nó, que acreditamos ser invencíveis.

Livro Evangelho Segundo Espiritismo - Instrução dos Espíritos "Os últimos serão os primeiros" (pag. 252 e 253) 

"Todos viestes chamados, uns mais cedo, outros mais tarde, para a encarnação cujos grilhões carregais. Mas a quantos e quantos séculos o senhor vos chamava para a sua vinha, sem que aceitásseis o convite? Eis chegado, agora, o momento de receber o salário. Empregai bem a hora que vos resta. Não vos esqueçais de que a vossa existência, por mais longa que vos pareça, não é mais do que um momento muito breve, na imensidade dos tempos que constituem para vós a eternidade..." 

----- 
Enfim não somos eternos e por isso esse é o momento de viver e amar como se fosse realmente a última vez. Visite as pessoas importantes para você, faça o impossível para que vocês vivam bem e diga que você as ama!

05/09/2013

Alegria do Meu Dia

Se o dia está duro, ligo para minha irmã e vejo o bebê mais lindo do mundo!

Se ela não atende, venho aqui e fico olhando para ele, viajando num amor incondicional e por hora não correspondido!










O Primeiro Passaporte a Gente Nunca Esquece!


Acho que todos nós temos uma caixinha escondida em algum lugar, onde guardamos documentos, cartões postais, cartões de aniversários e outros objetos que foram muito significativos em algum momento de nossas vidas. 

Na semana passada dei uma revisada geral no que realmente era importante, pois notei que a minha caixa, já não era mais uma caixinha. Lá, encontrei tanta lembrança deliciosa de pessoas especiais e momentos inesquecíveis. Encontrei cartas que meu avô me enviava quando eu sequer sabia ler direito, recuperei os primeiros postais enviados pelos meus pais quando eu tinha apenas 12 anos, revi fotos de um tempo muito diferente do que vivemos hoje. Senti saudade! Muita saudade!

Um dos objetos especiais e que, com certeza, será inserido no scrapbook que estou pensando em criar, sobre nossa vida na Europa, será uma carta que foi entregue para mim em março de 2012 (mês em que fiz a entrevista na Polícia para a aquisição da cidadania). A carta não era oficial, nem elaborada pelo Comissariato del Governo, até porque a entrevista significava somente mais um passo para a aquisição da tão esperada cidadania italiana, que viria a chegar mais de um anos depois. No entanto, essa carta representava muito, pois era a demonstração de carinho e de que eu estava rodeada por pessoas que torciam pelo meu sucesso e pela realização de mais esta conquista. Ela foi feita por pessoas que na época eram meus colegas de trabalho, em um momento em que praticamente vivíamos como uma família dentro do ambiente empresarial. Hoje, somos todos amigos, alguns estão longe, outros perto, alguns estão em contato constante, outros se comunicam bem pouco, mas isto não importa, porque eu sei que o sentimento de querer bem era e é real e sincero. 




Vivemos uma breve história de dois anos, mas que foi repleta de conquista para cada um de nós: Giada, Giovanni, Neusa e Jadir. Como em qualquer relacionamento existiram controvérsias, é verdade, mas se dentro de uma família, onde as pessoas cresceram juntas, com os mesmos valores, existem diferenças de opinião, é óbvio que fora de casa sempre existirão alguns desacordos. O importante é que com cada experiência  a gente aprenda a se respeitar, a trabalhar em equipe para obter sucesso e a superar obstáculos. Depois de um tempo, você percebe que a empresa era só mais um meio de ganhar dinheiro, experiência, mas acima de tudo de fazer contatos que podem ser importantes para sempre. Isto depende de cada um de nós! 

Sou muito feliz por ter compartilhado esses dois anos com pessoas de caráter inquestionável. Hoje, olho para cada mensagem escrita por vocês no meu primeiro passaporte e sinto muita vontade de que aquele tempo não tivesse passado.