05/09/2013

O Primeiro Passaporte a Gente Nunca Esquece!


Acho que todos nós temos uma caixinha escondida em algum lugar, onde guardamos documentos, cartões postais, cartões de aniversários e outros objetos que foram muito significativos em algum momento de nossas vidas. 

Na semana passada dei uma revisada geral no que realmente era importante, pois notei que a minha caixa, já não era mais uma caixinha. Lá, encontrei tanta lembrança deliciosa de pessoas especiais e momentos inesquecíveis. Encontrei cartas que meu avô me enviava quando eu sequer sabia ler direito, recuperei os primeiros postais enviados pelos meus pais quando eu tinha apenas 12 anos, revi fotos de um tempo muito diferente do que vivemos hoje. Senti saudade! Muita saudade!

Um dos objetos especiais e que, com certeza, será inserido no scrapbook que estou pensando em criar, sobre nossa vida na Europa, será uma carta que foi entregue para mim em março de 2012 (mês em que fiz a entrevista na Polícia para a aquisição da cidadania). A carta não era oficial, nem elaborada pelo Comissariato del Governo, até porque a entrevista significava somente mais um passo para a aquisição da tão esperada cidadania italiana, que viria a chegar mais de um anos depois. No entanto, essa carta representava muito, pois era a demonstração de carinho e de que eu estava rodeada por pessoas que torciam pelo meu sucesso e pela realização de mais esta conquista. Ela foi feita por pessoas que na época eram meus colegas de trabalho, em um momento em que praticamente vivíamos como uma família dentro do ambiente empresarial. Hoje, somos todos amigos, alguns estão longe, outros perto, alguns estão em contato constante, outros se comunicam bem pouco, mas isto não importa, porque eu sei que o sentimento de querer bem era e é real e sincero. 




Vivemos uma breve história de dois anos, mas que foi repleta de conquista para cada um de nós: Giada, Giovanni, Neusa e Jadir. Como em qualquer relacionamento existiram controvérsias, é verdade, mas se dentro de uma família, onde as pessoas cresceram juntas, com os mesmos valores, existem diferenças de opinião, é óbvio que fora de casa sempre existirão alguns desacordos. O importante é que com cada experiência  a gente aprenda a se respeitar, a trabalhar em equipe para obter sucesso e a superar obstáculos. Depois de um tempo, você percebe que a empresa era só mais um meio de ganhar dinheiro, experiência, mas acima de tudo de fazer contatos que podem ser importantes para sempre. Isto depende de cada um de nós! 

Sou muito feliz por ter compartilhado esses dois anos com pessoas de caráter inquestionável. Hoje, olho para cada mensagem escrita por vocês no meu primeiro passaporte e sinto muita vontade de que aquele tempo não tivesse passado.   





Um comentário:

Anônimo disse...

Olá Érica, tudo bem? Primeiramente parabéns pelo blog!
Trabalho no trivago e gostaria de entrar em contato com você por e-mail, é possível? Se sim, por favor me escreva: patricia.santos@trivago.com
Obrigada!