02/04/2017

Mundinho surtado

Esse è um período em que  tenho notado que as pessoas reclamam e criam probleminhas com tudo. 

No trabalho surta-se por situações simples de serem resolvidas. Na vida pessoal, até mesmo as pessoas que sempre consideramos amigos, mudam de uma hora para a outra, sem dar a minima explicação. Simplesmente viram "a cara, sem motivo aparente e sem um pingo de maturidade para dizer o que as magoou. Simples assim, no mundo de hoje as pessoas perdem amigos de uma vida inteira sem sequer dar explicações...

Estou num momento de exaustão física e mental e não tenho mais paciência e muito menos vontade  para “picuinhas”. Chego a conclusão de que è melhor ficar distante de gente que só vê e encontra problema em tudo.

A vida è tao rara e passa tao rápido, que eu não vou mais passar meu tempo entrando nas neuroses de cada um. Nao é a toa que atualmente a terapia esta tao em moda no mundo. Esta todo mundo ficando neurótico. As pessoas acreditam que precisam sempre se impor e acham quem possuem o “rei na barriga”. Sinceramente... faz tempo que eu cansei de atitudes egoístas e de gente que è legal somente quando tem algum tipo de interesse ou quando esta na frente de pessoas que possuem status ou das quais poderão se beneficiar mais tarde. Isto se chama hipocrisia.

Tentem não surtar por qualquer coisinha inútil, tentem fazer e manter as amizades com conversas sinceras, respeitando a individualidade dos outros, assim quem sabe todos viverão melhor. Se não puder agir com empatia, simpatia e sinceridade, simplesmente se tranque dentro de um quarto ou vá morar no mato no meio dos leões. Sò não chateie as pessoas.

Amanha a unica coisa que terá valido a pena são  a família e os amigos. 


Fica a dica!

27/03/2017

Modalidade Mae

Ser mae nao è uma tarefa fàcil, nao pelo fato da espera dos nove meses, muito menos por ter que suportar as terriveis dores do parto, que aliàs como jà dizia minha ginecologista “o parto è somente um passeio”. Eu naquela época sorria ironicamente  e pensava “so se for para voce”. Hoje, com meu bebe quase completando dois anos, eu percebo que ela tinha razao: O parto è una “passeggiata”

Dificil nao è ficar com o barrigao, nem sentir aquelas còlicas que parecem ser infinitas na hora H. Dificil mesmo è acordar de madrugada com teu filho tremendo de febre e ainda assim ter que pensar em como gerenciar essa situaçao com as urgencias do trabalho. Em alguns momentos de calmaria essa gestao pode ser bem mais fàcil, mas em outros como o que estou vivendo agora, com tres eventos prestes a acontecer, dos quais um comporta investimento altissimo, conseguir fazer tudo parece quase impossivel.

Ainda bem que o Marcelo è um paizao presente. Hoje as  4 horas da manha Matteo acordou falando coisas sem sentido e tremendo de frio. No dia anterior eu ja estava sentindo que algo estava errado. Dito e feito, ele amanheceu com febre. Na minha impossibilidade de ficar em casa, Marcelo o levou ao medico e ficou em casa com o Matteo. È verdade, è isso que fazem os pais, mas venhamos e convenhamos que a maioria deixa muito a desejar. Essas atitudes fazem com que eu me orgulhe cada vez mais do homem que escolhi para ser meu marido.

Por outro lado tenho sentido que estou deixando muito a desejar. Hoje mesmo me senti péssima mãe. Nao poder ficar com o Matteo nestas circunstancias faz eu me decepcionar comigo mesma. Provavelmente seja somente uma gripe ou a bronquite que tenha atacado novamente, mas fico pensando no tipo de mãe que sai de casa com o bebe doente. Esse ano tem sido de muitos desafios profissionais e de muito trabalho.

Sempre gostei muito de trabalhar, na verdade acho que è até meio vicio, mas de uns tempos para cà tenho pensado que preciso mudar algo. A jornada de trabalho tem sido longa e depois, quando chego em casa, ainda temos muito a fazer, o que significa que eu curto meu bebe por pouquissimo tempo, alem do que me sinto realmente exausta, de uma exaustão que eu nunca havia sentido. 

Meus pais passaram por isso e eles também nao tinham ajuda de ninguém. Na verdade, muitos passam por isso, mas ultimamente tem parecido “too much”. A maioria das pessoas que eu conheço na Itália, para ser sincera todas as pessoas que eu conheço, ficaram de licença pelo menos até o bebe completar 1 ano ou 1 ano e pouco. A lei na Itália te da essa possibilidade, mas mesmo assim, por varias razoes, eu voltei quando ao Matteo tinha 4 meses e meio.

O fato é… estou cansada e precisando de algum tipo de motivaçao, que nao seja somente auto motivação. Preciso sentir que estou fazendo a coisa certa e se não for, mudar radicalmente.
Eu amo meu trabalho, tenho consciência de ser super dedicada, como todas as pessoas eu também preciso ganhar dinheiro, mas acima de tudo eu preciso ser uma pessoa presente para minha familia e que não sinta culpa de um dia não poder trabalhar porque o filho esta com febre.

Talvez seja um problema que eu tenha que tratar comigo mesma, talvez a maioria das maes passem por isso, mas isso não me deixa feliz. Na real tem sido um problema para mim e logo as coisas terão realmente que mudar.

Sò para ter uma ideia hoje que o Matteo estava doente não pude sair antes das 20 horas. Acho que só entende quem è mãe mesmo. Espero encontrar uma saída cabível, sem ter que abrir mão de fazer o que eu tanto gosto. 

Vamos ver como as coisas vao correr.


Beijos e até breve

13/01/2017

Retrospectiva 2016

Intensidade é a palavra que resume 2016!

CONSEGUIMOS COLHER OS MELHORES FRUTOS!

Para começar fizemos um negócio incrível com a compra de nossa linda casa, tão incrível que mesmo após um ano, ainda é difícil de acreditar. Foi tudo muito rápido e conclusivo: compramos, reformamos e nos mudamos em Maio. Por nossa sorte, em meio a essas mudanças, pudemos contar com a ajuda da minha irmã, que veio do Brasil nos auxiliar cuidando do Matteo. Entre tapas e beijos, estes três meses foram ótimos para podermos curtir um pouco do nosso pimentinha Nick. Além disso, o Matteo teve a oportunidade de conviver com o primo. Minha irmã foi embora em Agosto e até hoje, em alguns dias Matteo acorda chamando pelo Nick.

Minha mãe também nos deu a felicidade de passar 15 dias conosco aqui na Italia. Foi muito bom e emocionante matar as saudades e vê-la brincando com o Matteo. Passamos uma semana na Croácia, uma viagem emocionante (Marcelo quem o diga), mas este é um capítulo a parte. Mas enfim, voltando ao assunto desse post....




Digo que 2016 foi intenso porque tivemos que deixar muito rapido a casa em que viviamos. Foram 3 meses e meio correndo para encontrar um bom pedreiro, concluir a reforma e comprar todos os móveis para a casa. Marcelo praticamente ficava atrás disso e eu cuidava do Matteo em casa, depois do trabalho. Mamma mia como nossa jornada diária era longa. Por um bom tempo nao tivemos sequer um dia de descanso. A unica coisa que nos ajudava a olhar para a frente e vencer o stress do cansaço era sabermos que tudo valeria a pena, a causa seria justa.

Outra coisa muito boa especialmente para mim, foi finalmente fazer minha habilitaçao italiana. Depois de um longo processo de seis meses, de muito estudo e 'decorreba' para a prova teorica, muitos dias chegando em casa as 22h00, fui aprovada seja na pratica que na teorica. Eu que ja fiz varios cursos, achei  que esse foi o mais chato de todos. Mas enfim, não conto como vitória o fato de ter passado na prova, mas sim porque a partir daí comecei a perder o medo de dirigir, depois de tantos anos 'bloqueada'. Comprei um carro lógico, senao não teria graça :) Parece bobo, mas como é fantastico poder se locomover para todos os lados de forma autonoma e independente.

Profissionalmente 2016 representou a minha volta ao trabalho depois da maternidade. Não vou negar que em muitos momentos pensei em abandonar tudo para me dedicar ao meu filho, mas no final das contas eu nunca me vi dona de casa. Adoro trabalhar e sou apaixonada pelo que faço, acho que nunca poderia me afastar totalmente do mercado. Quando resolvi fazer a pós em marketing, minha idéia era exatamente a de ampliar meus horizontes, para poder tocar em alguma empresa a area de Marketing. A própria Melissa me deu a oportunidade de fazer isso e passei a ser a responsavel de marketing na Italia. Além disso, com a minha volta ganhei de presente algo que era totalmente novo para a empresa e para mim: o e-commerce da marca na Italia e europa. Também me apaixonei por isso.

No geral, nao posso negar, que em alguns momentos me chateei por notar que nao era mais incluída em todo o processo da empresa, que após minha licença muitas coisas mudaram, mas no final aceitei que foi melhor assim. Seria humanamente impossivel ficar responsável pelo Marketing e E-commerce, assumindo outras responsabilidades. Quem me conhece sabe que eu sou tão perfeccionista que chego a ser chata. Duante esse periodo, algumas vezes me frustrei e me estressei, mas no resumo da opera, em 90% das vezes festejei até as minimas conquistas, que talvez não fizessem grande diferença quando observadas individualmente, mas que no todo representava muito.



2016 também foi o ano do Matteo: cresceu demais, aprendeu a andar, a correr, a se comunicar, a falar. Passou a fazer 'graça' para chamar a atenção. Fez a gente descobrir que ser pais é umas das funções mais exaustivas, já que você nao tem horário de descanso, mas que ao mesmo tempo é a melhor coisa que poderíamos ser. Passamos naturalmente a ser menos egoístas e começamos a pensar nele em primeiro lugar, ou melhor em todas as circunstâncias.

O ano que passou só me trouxe uma coisa negativa: percebi que conheci pessoas que até entao pareciam ser proximas e sinceras e me decepcionei vergonhosamente. Gente que frequentava minha casa semanalmente para ver meu filho, que dizia que gostaria de ser madrinha de coração e do nada desapareceu sem dar explicações, deixando no ar algo muito, mas muito estranho.
Gente que se dizia 'amigo' antes do Matteo nascer mas que se perguntou dele 4 vezes nesses quase 2 anos foi muito. Ou elas mudaram ou sempre foram assim e eu me enganei.
No final a vida é feita de escolhas e cada um faz a melhor para si, portanto a mim sò cabe aceitar e tentar fazer de conta que nada mudou. Colocar um ponto final, esquecer. Ainda nao consegui completamente, mas em breve completo a missão.

Por outro lado, nossos amigos não nos decepcionaram. Estiveram presentes em todos os momentos, de brinde ou de lágrimas.

Como dá para notar, só podemos agradecer por cada instante de 2016. O único fato negativo que aconteceu nem pode ser levado em conta.

P.S fizemos a primeira arvore de Natal depois de 10 anos de casados :)


Muito obrigada para o "Cara la de Cima"!

Que venha mais desafios e conquistas!







03/01/2017

A grande conquista

Passou um ano desde minha ultima postagem. Como da para imaginar, eu nao tenho conseguido alimentar o blog com frequencia, pois com a rotina maluca dos ultimos tempos esta tudo meio complicado. Para voces terem ideia demorei oito meses para conseguir fazer a unha. Ser mae é maravilhoso, mas uma funçao em tempo integral. 

Eu ja comentei que escrevo neste blog mais como um diario que poderà ser lido por nossos filhos e netos, do que somente por contar sobre nossas aventuras pela Europa, que aliàs estao se tornando bem longas. Ja faz quase nove anos que chegamos aqui e neste tempo conquistamos juntos tantas coisas boas e aprendemos a superar as dificuldades. 

2016 foi magico para nos!

Começamos o ano comprando nossa primeira casa, num lugar que é um sonho. Lembra casa de férias, daquelas que voce vai para a varanda, deita na rede e fica observando as estrelas no ceu. Isso mesmo, mesmo no inverno consigo fazer isso e agradecer cada conquista nossa. 

Eu que sou paulistana na raiz e Milanese no coraçao, que sempre adorei o caos e a facilidade da cidade grande me rendi ao desejo do Marcelo de morar em cidade pequena. . A decisao nao foi facil, mas aos poucos vi que comprar casa em Milao seria praticamente impossivel, ja que nao existem quase casas, somente velhos apartamentos que custam uma fortuna. Além disso, queriamos respirar um ar mais puro e proporcioar qualidade de vida ao Matteo. Bem que diziam que depois dos filhos nossas prioridades mudam demais. Se nao fosse por ele eu dificilmente saria de Milao, pois acharia que o esforço nao valeria a pena. No final das contas acabei me apaixonando pelo lugar. Calusco d'Adda é um local tranquilo, arborizado e com pessoas muito simpaticas. 


Compramos a casa, reformamos e hoje o Matteo passa o tempo todo correndo de um lado para o outro. 
Logico que antes era mais facil me locomover com tantos trans e metros em Milao. Agora dependo de trem para chegar, mas apos 45 minutos de viagem e chego aqui neste lugar...

Quem nao esqueceria tudo neste paraiso?