19/08/2021

Em busca do ar fresco e tranquilidade

Sexta-feira decidimos que iriamos para as montanhas para fugir do calor que estava insuportàvel. Escolhemos um destino que nao superava os 1500 metros de altittude por causa da gravidez e sabado de manha cedo partimos para Ponte de Legno, que fica na regiao do Trentino. O lugar é pequeno, mas lindo e aconchegante. 

Demos uma volta na cidade, almoçamos o famoso Pizzoccheri da Valtelina e mais tarde levamos Matteo em um local para fazer Montain Bike. Ele se divertiu demais, incluindo alguns tombos que levou 👀😁😂



Tinhamos a possibilidade de voltar no mesmo dia, mas ficaria muito cansativo ja que a cidade ficava a cerca de 3 horas de casa, entao procuramos um hotel, chalé, bnb e nao encontramos nada disponivel, afinal estavamos no feriado de Ferragosto (15 de Agosto). O unico lugar que encontramos foi um camping onde teriamos que montar a barraca (e mesmo assim os campings estavam todos lotados). Aproveitamos para reservar este, pegamos barraca, forninho etc e fomos embora. 

Eu estava bem preocupada em dormir em colchonete por causa do barrigao e com a dificuldade de ter que levantar a noite toda para ir ao banheiro. No entanto, para aproveitarmos as ultimas semanas antes da chegada do Federico e em uma temperatura normal a unica alternativa era esta: pegar ou largar... 

Pela primeira vez sai de casa totalmente desencanada. Esqueci lençois, travesseiros, cobertas e blusas. Com a sensaçao de 40 graus que tinhamos em casa, nem pensei que pudessemos sentir frio... 

Chegando no camping, montamos tudo rapidamente, fizemos uma pasta, tomamos um banho e começamos a notar todos caminhando de blusa... ai ficamos assustados... 

Por sorte Marcelo tinha pego um saco de dormir de casal, mas nòs eramos em tres, entao imagine quem passou frio ('poverino'). Acordou de madruga para colocar outras camisetas por cima, nos agarramos os tres e seguimos a noite...foi uma aventura e tanto!

No dia seguinte tomamos café e partimos para o Laghetto dei Caprioli, onde passamos um dia fresco e divertido. Foi tudo delicioso e eu estava definitivamente precisando disso tudo, deste contato com a natureza e de curtir sozinha os meus homens para renovar as energias 

Ponte di Legno - TN 



Ponte di Legno - TN 


Camping Val di Sole - Peio / TN


Dormindo na Barraca - Peio / TN 


Laghetto dei Caprioli - TN 


Laghetto dei Caprioli - TN

Matteo, o dançarino...

E o nosso fratellone esta cada vez mais molequeeeeee...



Ultimo Mes e Muito Calor ...

Olha eu aqui novamente com as aventuras do ultimo mes.
Seja nesta gravidez que na do Matteo eu nao me senti ansiosa esperando a chegada do bebe ou curiosa para ver o rostinho, para descobrir o sexo etc. Eu sempre vivi cada momento da gravidez como se fossem unicos, porque jà sabia que acabaria por sentir saudades de cada instante, da barriga, dos movimentos e mesmo da propria espera para saber se era menina ou menino. Claro que no caso do Matteo foi mais facil, pois eu trabalhei até o final da gravidez. Desta vez como tive riscos de aborto precisei ser afastada do trabalho, o que me deu mais tempo para vivenciar intensamente a gravidez e pensar no futuro. 

Ecco, o futuro é o que sempre me traz mais ansiedade, o fato de nao termos poder sobre os acontecimentos, de nao ter certeza de como serao as coisas e também toda esta situaçao que ainda prevalece no mundo com a pandemia. Isto me traz ansiedade e um pouco de medo. 

Mas, voltando ao que interessa, a reta final desta vez coincidiu com o auge do verao, ou seja 33 graus na sombra com sensaçao térmica de 40. Tenho passado esses ultimos dois meses me arrastando de um comodo da casa para o outro, com a sensaçao de que falta ar, de moleza/fraqueza, com o ventilador em cima de mim 24 horas por dia. Matteo nasceu em Abril e foi tudo muito mais fàcil, nao sofri deste calor terrivel. Aliàs sugiro que quem quiser ter filhos, planeje de acordo com as estaçoes do ano 😁. Enfrentar o verao europeu com barrigao é para os fortes, pode acreditar. 

Enfim, com esse calor nem fazer as malas do hospital eu estava conseguindo. Precisou de uma tempestade para baixar uns 3 graus e me dar forças para preparar as malas. A do Federico esta prontissima. Ja a minha esta quase, faltam apenas poucas coisas para concluir e entao é sò esperar pela data certa, se ele nao resolver antecipar as coisas. 

Aliàs, amanha tenho a ultima consulta e vamos saber os proximos passos, quais novos exames precisarei fazer, a data do test de PCR (Covid-19) e a data da internaçao, ja que desta vez preferi programar uma cesària para nao correr riscos como com o Matteo. 





11/08/2021

Ensaio Fotografico Federico

Em Julho decidimos fazer um ensaio de fotos, para registrar a nossa familia e para mostrar ao nosso Federico o quanto ele ja era especial e esperado, mesmo antes de chegar. 

Foi muito gostoso fazer essas fotos, pois apesar de eu ja estar um pouco cansada no inicio do oitavo mes, nos divertimos bastante. Escolhemos uma fotografa brasileira em Padova, que além de conseguir transmitir nossa felicidade, nos deixou a vontade, envolveu o Matteo, fez com que ele se divertisse. 

Nòs nao queriamos fotos em estudio, pois nao nos representaria. Escolhemos fotos na natureza, ao aberto, algo que transmitisse a liberdade e a conexao com a natureza. O resultado foi lindo! 

Deixo abaixo algumas fotos :)























Reta Final

Ha algumas semanas comecei a ficar ansiosa e emotiva, sinal de que estou no fim desta etapa e que logo logo o nosso Federico estarà por aqui. 

Ja compramos tudo o que era urgente, agora estamos na fase de personalizar o quarto e comprar coisinhas pequenas, fazer a mala para o hospital etc. Nestes ultimos tempos, organizei melhor as coisas em casa, criando espaço também para ele. 

Neste ultimo mes e meio estive me sentindo angustiada, com pensamentos e sentimentos confusos por varias razoes. Uma delas é que estavamos tentando trazer minha mae para o nascimento e com a pandemia tivemos que fazer uma solicitaçao oficial  ao Ministério da Saude italiano, com a justificativa de que precisarei de assistencia domiciliar, devido ao fato de fazer uma cesària e de morar em uma casa de tres andares (cheia de escadas). No atual cenàrio existe uma rigida restriçao para a entrada de brasileiros no Pais, mesmo que vacinados. Apresentamos, entao, os documentos (incluindo um certificado do meu médico), compramos a passagem e encaminhamos a solicitaçao. Estranhamente uma hora e meia depois recebemos a resposta negativa do Ministério. Uma resposta que parecia automatica ou um simples "Ctrt+C / Ctrt+V". Tive a sensaçao de que eles sequer analisaram meu pedido, por isso solicitei uma reavaliaçao da pràtica. Apòs muito insistir, enviando outros tres e-mails em um mes, obtive o mesmo retorno negativo. 

Procuramos outras alternativas pela Suiça ou França, que estao abertos para os brasileiros vacinados (como é o caso dela), mas mesmo assim todas eram complicadas, carissimas e arriscadas, além de necessitar de 14 dias de quarentena nos paises para poder posteriormente ingressar na Italia. 

Minha mae fez com todo o carinho parte do enxoval e esta seria a oportunidade para curtir os netos nos pròximos meses, além de nos dar um suporte neste momento inicial. E' frustrante se sentir impotente diante de toda a situaçao. Talvez tenha sido ali, que percebi o quanto nòs tres estamos sozinhos aqui na Italia. No final, talvez a gente sempre seja sozinho. A gente nasce sò, a gente morre sò, mas a verdade é que procuramos sempre uma boa companhia, o carinho, a atençao e sentir a sensaçao de que estamos juntos. 

De repente, pode ser que meus hormonios estejam exaltados e eu esteja mais sensivel, mas estou com essa sensaçao de que nòs  tres somos sòs, longe de nossas familias e de nossos mais caros amigos, aqueles que conhecem a nossa alma, que perdoam as nossas imperfeiçoes e erros. Aqui fizemos amigos sinceros, fizemos amores que ficarao eternamente em nossos coraçoes, mas la no fundo sao nestes momentos importantes que a saudade fica severa, grita e se transforma em làgrimas e em duvidas. 

Lembro-me de quando o Matteo nasceu. Foram tantas festas no Brasil e aqui, tinhamos o direito de ir e vir. Meus pais estavam aqui no nascimento e nos ajudaram muito, além de nos dar aquele carinho que somente os pais sabem dar. Fui tao mimada nos nove meses e nada é mais gostoso do que ser mimada quando estamos num momento tao importante como a espera de um filho. 

Pois  é, esses sao tempos dificeis. Hoje todos estao focalizados em tentar sobreviver a essa crise pandemica, superar dificuldades financeiras e emocionais, causadas pelo distanciamento social, pela solidao, pela incerteza sobre o futuro. Nao tenho o direito de cobrar nada das pessoas, pois estao todos fragilizados, mas a verdade é que eu sinto falta daqueles momentos especiais... 

Eu nao amo o Brasil, nao sinto falta do Brasil como naçao, mas me questiono se nossa decisao tem sido a certa. Temos nos enraizado cada vez mais aqui com a justificativa de que a vida no Brasil é muito mais dificil, a educaçao é falha (a nao ser que se tenha muito dinheiro para pagar as melhores escolas), a violencia é gritante, a qualidade de vida nao é boa. No entanto. estamos perdendo os momentos com os nossos familiares, um tempo que nao voltarà. Serà que é a escolha certa a se fazer? Ou serà que deveriamos dar alguns passos para tràs? A esta pergunta poderei responder somente mais para frente, com as idéias claras...