11/08/2022

Tempo e Maternidade

Olha eu aqui novamente! Juro que procuro reservar um tempo para voltar com frequencia, aliàs sinto falta, mas o bebe e o Matteo exigem atençao redobrada, o que faz com que o tempo fique ainda mais curto. Digamos que estou atrasada em tudo, inclusive nas coisas que eu sempre gostei de fazer. 

Hoje em dia, tenho diariamente umas duas horas e meia no total (o tempo que o Federico dorme) para fazer alguma atividade, que pode ser uma pedalada ou organizar algo em casa. Preciso sempre escolher minha prioridade (se pedalar, se organizar a casa, se cozinhar, se ler, se escrever, se fazer yoga, etc). E' sempre uma unica escolha, ja que o Federico dorme pouco. Faz meses que estou ensaiando para atualizar o blog, para dar continuidade em minhas leituras, para voltar para a meditaçao que tanto me faz bem, mas nao tenho conseguido. Faz dias que estou tentando ir no cabeleireiro, fazer uma caminhada, enfim faz dias...

Ter filhos é maravilhoso e nao coloco isto em questao, mas se voce nao tem ninguem que possa dar uma mao e ficar com eles de vez em quando, voce acaba sentindo que deixou de existir. Tudo gira em torno deles, do momento em que acordamos ao momento que vamos para a cama. Agora mesmo aproveitei que os dois estao dormindo para escrever (esta foi a minha escolha de hoje) e cada vez que o Federico se mexe, acho que meu tempo chegou ao fim. E' meio tenso fazer qualquer atividade desta maneira. 

Nao entenda esses comentàrios como uma reclamaçao, mas como o desabafo sobre a rotina e realidade de muitas maes que cuidam dos filhos full-time. Como algumas pessoas sabem, desta vez, por razoes particulares, resolvi unir minhas férias à minha licença maternidade, o que me da mais tempo para acompanhar as crianças de perto. Considerando que Matteo esta de férias desde Junho, eu diria que esses ultimos meses tem sido bem intensos. Intensos e ràpidos! Hoje falta tempo, mas tento lembrar que o Matteo ja tem sete anos e o Federico completarà 1 ano no mes que vem, entao sei que sao momentos unicos e todos esses sentimentos conflitantes mais cedo ou mais tarde passarao. Chego a pensar que em uma casa com crianças, o caos passa a fazer parte da familia. Sò que as criancas crescem ràpido demais, por isso precisamos decidir se colocar o foco nas dificuldades ou no prazer de transformar essas miniaturas de gente em grandes seres humanos. 

O mais engracado em tudo isso, é que ao mesmo tempo em que sinto a exaustao fisica, a falta de mim comigo mesma, que tento fazer de tudo para a nossa familia ficar bem, que tenho a certeza de dar o meu màximo, me sinto inumeras vezes preenchida com um enorme sentimento de culpa por achar que nao sou suficientemente boa, por perder a paciencia com as malcriaçoes e desobediencias do Matteo (que esta numa fase complicada). Pois é, ainda que eu acredite estar dando o melhor de mim, em diversas ocasioes sou invadida por esse sentimento de culpa por sentir falta de mim como pessoa, de ter meu tempo para estudar, produzir e pensar sem interrupçoes. E por falar em interrupçoes, ja tive que fazer duas longas pausas enquanto escrevia este texto: a primeira porque o bonitinho acordou e fez um desastroso cocô e a segunda porque em um minuto de distracao, enquanto eu escrevia, ele caiu de cabeça de um degrau de uma escada que fica ao meu lado :(


Entao, cada vez que eu tenho que recomeçar o texto, preciso retomar meu raciocionio, deixo passar toda uma lògica de pensamentos e me perco no que eu queria escrever, razao pela qual muitas vezes opto por nem comecar. 

Sabe, muita gente, incluindo o Marcelo, vai dizer "voce nao tem que se sentir assim, voce é uma otima mae e esposa e bla bla bla", no entanto nao é tao fàcil encontrar o ponto de equilibrio, se é que ele realmente existe. A maternidade é uma grande jòia que vem acompanhada também de sentimentos contraditòrios sobre voce como pessoa. E tudo no final é questao de tempo, porque passa e ràpido demais. Em poucos anos ficarà somente uma imensa saudade de um momento que parecia muito caòtico, mas que provavelmente terà sido o momento mais feliz de nossas vidas. 

10 comentários:

Rosemeire Moreira disse...

Filhos, dor gostosa de sentir 🤰sacrifício incalculável, mas valoroso, acabará um dia e sentiremos saudades.
Para eles tudo corre normal, não existe o tal sacrifício, que só será entendido quando for a sua vez....Aí vem a parte boa, mãe mais uma vez, mas desta não tem dor... Sacrifício... Apenas alegria, São os netos.... E vivamos a cada momento com a felicidade de ser o último.
Amo vocês

Kelli Machado disse...

Um abraço, querida ♡ a maternidade me apresentou uma solidão tremenda, que eu nunca tinha sentido antes. Sinto cada uma das suas palavras e te entendo. Rede de apoio é essencial para mãe conseguir ter um respiro.

Aqui, o que me salvou foi frequentar um grupo de mães com bebês da mesma idade. Hoje em dia, são minhas melhores e amigas mais próximas. Uma dá suporte pra outra, fica com o filho da outra se precisa, na licença maternidade íamos a cafés, pracinhas... compartilhavamos os perrengues.

Kelli Machado

Anônimo disse...

Nossa Érica super me identifico… parece que estamos passando pelas mesmas coisas

ERICA RITACCO disse...

Obrigada por tua mensagem. Por favor se puder se identifique 🙂

Suzana Chagas disse...

Foi eu amiga

Anônimo disse...

Curta muito esse momento...O tempo passa rápido demais...Ótimo texto..Abraços!

Anônimo disse...

Nossa, eu poderia copiar o texto e dizer que fui eu quem escreveu, de tão igual que me sinto... saudade ti 😘

Anônimo disse...

Neusa aqui.. nao seinpq não saiu meu nome 😘

ERICA RITACCO disse...

Mãe suas palavras sao lindas. É bem isso. Para eles tudo corre normal. Somos nos que estamos cansados e sem paciencia 👏

Elizete Teixeira disse...

Nossa Erica, você expressou o que todas as mães sentem em algum momento, fica em paz que você e ótima mãe e com certeza deve sentir muito orgulho da sua família. Você e a peça principal para que sejam tão lindos juntos. Parabéns minha nora amada😍😍